17 dezembro, 2009

Mais uma pessoa tenta me converter

Posted in Cotidiano, Crenças tagged às 10:45 am por Deborah Sá

Ontem resolvi cortar o cabelo, já que o dito cresce em uma velocidade impressionante. Enquanto esperava me divertia com o livro Deus um Delírio do Richard Dawkins (meu presente do Dia das Crianças), a mulher terminava de fazer chapinha em uma ruiva de farmácia, a moça foi acompanhada do namorado que tirava sarro dela, enquanto ficava visivelmente insegura.

Terminada a chapinha a mulher lavou meu cabelo (adoro massagem na cabeça), ouvi o rapaz rindo e a cabeleireira perguntou:
“Não gostou não?”. Sentei na cadeira e ela me disse:
– Não entendo! Uma moça bonita daquela, namorando um moleque que ri da cara dela.
– É, eu não agüento essas coisas não, tem que mandar se lascar
– Você descoloriu seu cabelo?
– Não, tingi várias vezes até pegar o tom que quero, aliás, preciso tingir novamente, tá amarelando… E você já usou muitas cores?
– Já, até raspei, a melhor coisa que já fiz na vida, mas não pode ligar para o que falam.
– E corta cabelo há muito tempo?
– Por que pergunta?
– Sempre pergunto para as pessoas como elas começaram na profissão, se gostam do que fazem…
– [Imaginem o máximo de tom místico pra contar a história] Ah, a história é muito confusa, é muito longa, você não vai entender…
– Desculpe. Se não quiser, não precisa contar.
– Eu era casada, e eu fui até uma pessoa… Falou que eu tinha que procurar uma profissão, ia passar por um período difícil e precisava me arranjar…
-… Economicamente
– Não, profissionalmente.
-…
-Então eu tinha passado em frente uma escola de cabeleireiros e perguntei pra pessoa: “Tipo o que?” e ela disse: “Cabeleireiro”. Aí fui crescendo na profissão. E ai, gostou? Tá bom (o corte)?
– Gostei sim, obrigada.
– Eu pensei que não ia ficar bom não, mas ficou. E essa sobrancelha aí? Não vai tirar não?
– Essa é de estimação. Sabe quando algo faz parte do que você é?
– *Faz careta* Mas é porque fica bonito.
– Não obrigada.
Júnior: – Ai que linda que você está, que diferente.
– Obrigada ^^

Me despedi e saí.
Quando estava a poucos metros de casa uma moça atrás de mim diz:

– Moça, moça.
– Oi
– Posso falar uma coisa rapidinha pra você? Qual seu nome?
– Claro. É Deborah e o seu? *pensei que era mais uma pessoa que ia perguntar a tinta que uso no cabelo, no domingo uma mulher me parou no Bazar Vegano pra perguntar isso*
– Bianca (acho que era esse o nome dela…), eu sou uma serva de Deus e queria saber se posso orar por você.
–  Pode sim *na sua casa né?*, sem problemas.
A moça colocou a mão no meu ombro: Repete depois de mim?
– Não, vou me sentir desconfortável.
– Oh senhor (cobrindo os olhos com uma mão enquanto outra colocava no meu ombro)! , abençoa a Deborah, a família dela. Tire do caminho todas as armadilhas de Satanás…

[Nisso minha mente viajou, o que será que ela viu em mim? Meu guarda-chuva? O porteiro achou estranho, se levantou…]

Arco íris :)

…Oh, senhor, guarda ela…

[Será o Deus um Delírio que me fez rir minutos atrás em minhas mãos?]

Será que ela só leu “Deus” na capa?

Tu sabes de tudo Senhor…

[Ou meu recém corte de cabelo?]

…derruba ele Senhor, entra na vida dela agora e para sempre. AMÉM. *Olhos de esperança aguardando ouvir “meu” amém*
– ….(sorriso amarelo)
– Fala “amém”!
– Não… Vou me sentir desconfortável.
– Você tem telefone? *A moça tinha olhinhos de piedade*
– Tenho, mas… Vou me sentir desconfortável. E ele é onipresente né? Sabe onde estou não precisa…
– Deixa só anotar seu nome no papel, é Deborah né? Vou orar por você, posso? Na minha casa? *_*
– Pode sim, sempre que quiser. E…
– Siiim *_*
– Boa sorte…na sua vida aí…
– Obrigada pra você também! *______*

Entrei no prédio:

Porteiro: Tudo bem (apreensivo)?
– Tudo, estão orando por mim.
Porteiro: Mas será mesmo? Se for tudo bem. Ela pegou algum dado seu?
– Meu nome.
Porteiro: É por que não sabe pra que vão usar (ele insinuou que a moça ia “por meu nome na macumba” ou algo do tipo).
– Eu não tenho medo dessas coisas não, tenho medo é de faca, coisas que cortam, físicas, reais…
Porteiro: Ah, mas se você é forte com Deus como você está falando, então nada te pega! Que bom que você acredita tanto assim.

Entrei absorta no elevador. Por que não falei pra ele que era filha de Iansã?*

*Parafraseando uma colega de faculdade do Yuri que respondeu isto a um garoto que perguntou se era de alguma igreja. Como negou, ele emendou “É da macumba então?”
**Confesso que simpatizo mais com os Orixás do que com os Santos católicos.

OBS: Lembram do gatinho preto? Tirei uma foto dele ontem:

Está vivo :)

Anúncios