7 agosto, 2014

Fala pouco e bem…ter-te-ão por alguém

Posted in Gênero, O pessoal é político tagged , às 12:47 pm por Deborah Sá

Caríssimo leitor. Que saudade de contar meus dias! Feliz estou que ainda retorne para ter notícia dessa pequena ilhota, a qual faço questão de não fincar bandeiras, deixando vestígios propositais de meu regresso. Fiquei tantos dias sem tal ofício prazeroso… Temi ter enferrujado. Escrever sem valer nota, escrever para mostrar. Dilemas literalmente tomaram meu sono e roubaram algumas lágrimas de olhos facilmente umedecidos. Eu criei segredos, muito mal guardados como é de meu feitio. Segredos de amor. E de temor. E de prazer. E de dor. Mais que isso não posso apontar, além do que já disse para as orelhas sadias ao derramar minhas suposições. Voltei, não conseguiria me sentir bem ocultando isso de um velho conhecido: Aquele que me lê. Transcorri minhas pálpebras em muita coisa esse ano. Além das centenas de páginas xerocadas para a faculdade, faço questão de reservar um tempo, pequeno que for, para ler algo que realmente escolhi. O livro Infância de Graciliano Ramos tem aquecido por dentro, recobrando a responsabilidade em narrar. O Terteão me assombra por outras razões.

Dizer pouco e bem nunca foi meu forte. Se falo pouco me entrego: A cabeça pesa e congestiono feito sinusite. Os sintomas são parecidos, meus olhos perdem algum brilho, ganho ares de preocupação e apatia. Não raro, a imunidade desce e uma infecçãozinha aqui, um resfriadinho ali, coriza.  Dias atrás, uma amiga citou o termo oversharing, o primeiro movimento foi acatar. É isso mesmo, se deixar exponho demais, conto mais do que devia, é quase fisiológico. Pois bem, instantes depois um moço no twitter emendou com um artigo excelente sobre como isso é mais pesado para as mulheres. As que escrevem seus anseios e dúvidas de modo biográfico e confessional, são facilmente desacreditadas. Um homem que fala de suas dores e mergulha nas entranhas para mostrar para ao mundo, é um cronista. Uma mulher que faz o mesmo é mandada para o privado. Mulheres tem diários, homens tem livros publicados e colunas. Se uma tirinha desenhada por uma mulher tem uma piroca ou um cu, podem julgar pesado ou imaturo. Informações demais, ninguém quer saber das auguras em não encontrar a cordinha do absorvente interno. Se quero ser professora ou mesmo uma pesquisadora, preciso parecer minimamente respeitável, não? E se quero proteger as pessoas que amo das ideias controversas que me habitam e podem respingar nelas, devo andar na miúda, correto? Posso ouvir as vozes que já me foram ditas outras vezes (e nem faz tanto tempo): Qual a necessidade de se expor tanto? Poderia ser mais uma mulher de gestos contidos, ambições pequenas, bater cartão, sentindo-me bem com cabelos comportados e roupas mais ainda? Sim. Eu poderia. Mas eu não sou. E como feminista, essas coisas martelam. Esse é o medo em ser mulher e me expressar além das expectativas de meu gênero. Quer escrever? Mas cuide bem para não mostrar mais do que devia. A escrita é fenda e decote e sabem o que dizem de mulheres que se expõem. Não se dão o respeito. Concordo com as memórias infantis de Graciliano, Terteão é um homem. Ele escreve, anda, veste, ama, se move, fotografa, ao passo que fala somente o necessário.

%d blogueiros gostam disto: