14 fevereiro, 2014

Essa é a minha deixa (com áudio)

Posted in Com áudio às 4:27 pm por Deborah Sá

Ao nascer, ganhei uma bússola. Bem que tentei esconder, mas sempre descobriam meus esconderijos. Entortaram o ponteiro, riscaram o vidro, fizeram miséria. O último golpe foi o furto da tampa de proteção. A desventura foi muita, ao olhar aquele objeto com os olhos embotados, pude perceber não se tratar de peça comum. Com bastante esforço, li em letras minúsculas e cursivas: “Em caso de danos, deslize os dedos aqui”. Prossegui. Não havia mais ferrugem! Porém, as engrenagens ainda estavam expostas. Coletei algumas pedras coloridas aqui e ali, enfeitei em diferentes cores. Não importava a quantidade, um pedaço das engrenagens antigas permanecia exposto, como era de se esperar, eram guardiões daquele artefato. Em dias difíceis, só consigo reparar nos buracos e no som dos metais sussurrando. E nos dias como hoje, seguro contra o sol. Um caleidoscópio feito em escuridão e resplandecência. E nela, está o afeto.

(silêncio)

O amor está para além dos olhos, ao mesmo tempo, habita a luz e a sombra no piscar de seus cílios. O amor está onde o tempo quer que fique, melhor ainda, se puder sorver cada detalhe, a história que teu corpo me conta. Está nos seus joelhos e calcanhares estalando, em seus pulmões relaxando e expandindo o tórax. O amor vive no cheiro incenso detrás das tuas orelhas, é fumaça quente escalando minhas narinas. O amor está recôndito em cada esquina e sempre trás um ramalhete em agrado. O amor me rouba beijos, amolece as pernas, abocanha um pedaço teu. O amor me acolhe quando meus braços circundam tua cintura e sua língua capta meu gosto. O amor está mesmo se não há toque, mesmo se não sei teu nome, mesmo se há poucos minutos estamos juntos. O amor está na paisagem e em toda formosura, o amor está aqui, e ali. O amor é torneira aberta, e sou, permeável.

2 Comentários

  1. Isabela said,

    Adorei suas poesias! a minha favorita é a primeira, me lembrou um pouco a invenção de hugo cabret, por causa das engrenagens,o que pessoalmente me deu uma interpretacão ainda mais “poética” kkkkkk.
    Bjs e parabéns pelo talento.

    • Deborah Sá said,

      Obrigada :)


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: