18 junho, 2013

A tarifa baixou? Não? Então a luta continua!

Posted in Eventos, Só falam nisso às 11:27 am por Deborah Sá

Muito legal, rua cheia. E preciso reconhecer as pessoas que foram no ato de ontem em SP, elas compareceram para apanhar se fosse necessário. Louvável. Muitas pessoas que nunca saíram pra protestos na vida, saíram. Ótimo. Mas é preciso reconhecer algumas coisinhas:

  • O Brasil não acabou de acordar, os movimentos sociais se organizam há anos, não é porque você não vê na TV que não existe. Essa invisibilidade não é culpa dos movimentos sociais. Situações dessa grandeza não mudam da noite pro dia, essas pessoas não tem o poder da grande mídia nas mãos. Quer se informar para além dos veículos convencionais? Que tal começar a seguir outras pessoas virtualmente? Não precisa romper com atuais amigos, fazer voto de pobreza, usar camiseta do Che. Você só fará isso se e quando quiser. Tente se despir dos preconceitos. Há tempos essas pessoas lutam pra conseguir melhorias para todos, inclusive pra você. Essa luta é coletiva, não é pra conseguir privilégios, é pra tornar eles acessíveis, torná-los um direito.
  • Contra a corrupção todo mundo é. É como falar que “odeia falsidade e gente que se acha”, um termo genérico, sem foco, sem direção, que logo é diluído. Pautas são importantes, a primeira desse movimento é: Baixar o preço da passagem. Conseguimos? Não. Então é hora de ir pra rua novamente. Não faz sentido abandonar um movimento onde a ÚNICA pauta sequer foi modificada. Sim, não é só por vinte centavos, mas é o primeiro passo e é importantíssimo que seja atingido. Pode não fazer diferença pra alguns, mas pra pessoas com menos dinheiro, faz. E repetindo, essa luta é para melhorar a vida de todos.
  • Pobres e negros são agredidos de forma sistemática nas periferias. Isso não é vitimismo, é um dado estatístico. Foi horrível o que aconteceu na Paulista? Sim. Mas quanto mais longe das câmeras estão as pessoas e mais afastadas dos grandes centros, mais a borrachada come solta. Esse “basta” deve acontecer em toda parte, não só quando brancos de classe média são atingidos. Não sou eu que defino que uma dor e sofrimento é menor que o outro, é a desigualdade social que assim o faz.
  • Sabe quando você tem uma ideia e seu amigo a usa, leva a fama e fica com o mérito todinho pra ele? É esse meu medo. Os movimentos sociais lutam faz tempo e a imprensa responde com vista grossa¹. Quando são atingidos, mobilizam mundos e fundos pra reverter esse quadro. Agora até o Pondé², está do lado da mobilização. Não quero polarizar entre mocinhos x vilões, mas é como diz o ditado, quando a esmola é demais…
  • Sejam bem vindos, novos e antigos manifestantes. O movimento é sexy ; )


¹ O importante é vender notícia, então vamos focar naquela meia dúzia ali quebrando a cidade….
²  Se não conhece, é um cara que disfarça preconceitos com suposto sarcasmo que de inovador não tem nada.

Deborah Sá, nasceu na Periferia de São Paulo, concluiu o Ensino Médio no EJA e já se fudeu muito nessa vida. Hoje estuda Pedagogia na Universidade Federal de São Paulo. É feminista, vegana, atéia e de esquerda (sem filiação partidária). Tem certeza que só não tem medo de polícia quem nunca se manifestou contra o Estado.

Update: Há um ato hoje, ás 17:00 na Praça da Sé! Vem pra rua!

%d blogueiros gostam disto: