31 janeiro, 2013

Com luva de pelica

Posted in Cotidiano, Crônicas e contos às 1:30 pm por Deborah Sá

navalha
Ao desviar ataques usei a polidez, o “com licença” e o “obrigada” serviram para conseguir avanços nas brechas. Tive de me afirmar primeiro, combater primeiro, porque quem não bate leva na outra face. Se outrora não pude impedir que me odiassem, tentei reagir pé ante pé e por depender das estruturas que me tolhiam o fiz com sutileza. Assim passo meio ressabiada da gentileza que adquiro em resposta. Estranho o espaço no horizonte já que vivia presa no quintal querendo ser bicho solto. Agora o portão se abriu e tenho um espaço imenso para interagir. O cabresto da idiotia que me destinaram escorregou num baque surdo no chão, não me vêem mais como saco de pancadas ou como uma criatura que destila tonterías. Ontem, em um vagão de metrô saquei o lápis para marcar um livro, em instantes entrou causando alvoroço um grupo de jovens barulhentos. Eles se penduravam e davam risadas lembrando de forma fidedigna, o tipo de comportamento que vi nos jovens ao meu redor nos tempos de escola. Eis que uma amiga diz para outra:

– Sua filha da puta, pisou no meu pé. Vou dar um tiro na sua cara.

Eles e elas trocavam tapas e socos como amigos. Para quem não conviveu com esse tipo de comportamento é espantoso, porém, foi de tamanha familiaridade que pude me imaginar mais uma vez nas carteiras, com o barulho zunindo, as canecas de plástico azul voando pela sala, ora me acertando, ora não, enquanto me concentrava em alguma leitura. Voltando ao presente, por um instante acreditei que poderiam avançar contra meu livro fazendo dancinhas, rasgando o papel ou me chamando de retardada. E quão errada estava em minha suposição quando um deles se adiantou e disse:

– Vamos fazer menos barulho, caralho, que a moça está lendo.

4 Comentários

  1. Que foda! Estou te amando muito por causa desse texto!

    • Deborah Sá said,

      Obrigada querida, você é adorável :)

  2. Julia said,

    Deba,
    vim reler esse texto porque é o teu melhor.
    :)

    sua linda.

    beijão,
    Julia

  3. Dio Aloke said,

    Hahaha eu sinto isso às vezes. Sinto falta dessa extroversão extravagante e espontânea, que só quer ser feliz e os outros que lidem com isso. Envelheci, amadureci, aprendi a respeitar os outros. Ou talvez apenas tenha descolorido um pouco.

    Mas adorei a mistura de educação e desbocamento do rapaz no final XP


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: