27 abril, 2012

Nós

Posted in Desejo às 8:15 pm por Deborah Sá

Não me falta teto, não me falta sangue
Não me falta tremor e gozo, não me falta corpo
Não me falta amor, não me falta o som das unhas no pêlo
Não me falta um gosto.
Sede ampla, sede aberta e desabrochada,
Sede úmida e tenra, como a manga em toda polpa
Sede líquido que desce por entre as pernas em torrente
Sejam nossas mãos entrelaçadas
Sejam os arranhões e as marcas nas ancas
Sejam seus sussurros em meu ouvido
Sejam rompantes das gargalhadas que escapam
Seja meu peso sobre o teu
Que o tempo seja uma categoria lá fora
Daquelas tantas que não nos cabem
E que sua língua me habite
Para quase todo sempre

4 Comentários

  1. gabidomi said,

    Lindo o poema!!!

  2. Denise. said,

    Aquela Deborah que com suas palavras torna meus dias melhores …

  3. renatalima91 said,

    Que lindo.
    Que linda e delicada e forte e profunda é você.

  4. Deborah Sá said,

    Obrigada ♥


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: