28 setembro, 2010

Aborto

Posted in Corpo, Gênero, Por um Estado Laico tagged , às 4:20 pm por Deborah Sá

A intervenção religiosa nas diretrizes do Estado fere (entre outros direitos) a autonomia sobre o corpo, característica fundamental em uma democracia. Essas instituições reclamam para si maior representatividade no Congresso assumindo os dogmas de sua prática como infalível conduta, execrando as demais religiões (em especial as de origem Afro-Brasileiras) do debate.

É de extrema importância o reconhecimento do Aborto como constituinte das políticas públicas na Área da Saúde, não legalizar-lo é encobrir a morte de mulheres negras, pardas e pobres em situação vulnerável que arriscam suas vidas em clínicas clandestinas, ignoradas sob o estigma de “Malditas”. Quem possui recursos para tal, mantém a integridade física e reputação preservada.

Descriminalizar esta prática não ocasionaria mutirões abortivos por não se tratar de um processo simples e prever acompanhamento interdisciplinar. Enquanto aguardamos, centenas de mulheres engravidam na fila do SUS a espera de uma laqueadura.

Se uma mulher próxima a você (companheira, mãe ou irmã) apresentasse grandes chances de morrer no parto e houvesse a chance de optar pela vida do bebê ou a dela, quem escolheria?

Respeito é resguardar a autonomia, do contrário, não há qualquer opção de livre-arbítrio, restando à mulher subjugar- se aos mandamentos religiosos e estatais regidos por patriarcas. E como se sabe; patriarcas não engravidam.

[Hoje é o Dia pela Descriminalização do aborto na América e Caribe. Este dia foi criado durante o V Encontro Feminista Latino-americano e do Caribe, realizado na Argentina, em 1990, em função da enorme preocupação que o Encontro demonstrou com o tema. Fonte]

Trolls (e curiosos) possivelmente questionarão:

Defender o direito ao aborto e ser VEGetariANA?

Para começo de conversa, vacas são fecundadas contra vontade (na interferência humana) e não escolhem ter seus filhos arrancados do convívio. Esses “filhos” não vão para orfanatos ou assistentes sociais, eles viram Baby Beef. Sequer, foi descoberta uma horrível fábrica onde garotinhas são criadas unicamente para atingir a puberdade e inseminadas para gerar leite (vacas também só amamentam quando prenhas). A exploração de fêmeas não humanas é bem diferente, embora existam paralelos.

Ou seja, a autonomia dos corpos dos animais não é respeitada quando viram comida de humano, além disso, tal indivíduo geralmente pode comprar proteína não-animal no mercado. Nenhum animal não-humano voluntaria-se ao sacrifício. Defendo a autonomia dos corpos, de todos os que já estão fora do útero, ou do ovo.

51 Comentários

  1. Aline said,

    Lindo, Deborah!
    clap clap clap.

    • Deborah Sá said,

      Obrigada Aline :)
      Seja bem vinda ^^

  2. Mariani Lima said,

    Sim à legalização!
    E não apenas em caso de risco de morte da mãe…
    Uma pena que o dia de hoje não está tendo bastante espaço na mídia, por enquanto só estou vendo a divulgação através do Twitter.
    Falta conscientização e reflexão sobre o tema. Só tendo um útero para ter a real noção da importância que é um lei a favor do aborto.
    (mas às vezes, nem isso basta para se importarem)

    • Deborah Sá said,

      Também não vi/ouvi nada a respeito na grande mídia =/
      Mas graças a Internet não é preciso ter aval de grandes emissoras para difundir nossas idéias ao maior número de pessoas possíveis.
      Obrigada por contribuir para o debate =***

  3. […] Aborto – Texto da Deborah […]

  4. May May said,

    E o que eu mais escuto, principalmente de mulheres, é que o aborto é um crime hediondo. Quando começo a questioná-las, percebo que elas apenas vomitam frases que escutaram antes e foram condicionadas a falar. Admirável mundo novo, oi?

    Deba, voltei a tomar anti-concepcional por medo de um estupro, acredita? Moro numa cidade violenta, volto tarde pra casa e sempre ando sozinha. Imagina se acontece alguma coisa? Sou obrigada a desistir de todos os meus sonhos -que andam mto bem, obrigada- para criar uma criança não desejada?

    Outra coisa… já viu a quantidade de mãe que tem filho e não tem um pingo de paciência? O que essas crianças sofrem até conseguirem se defender… pode até ser tarde demais, visto pelo lado psicológico…

    Well… o assunto é longo
    Adoro seu blog, sempre leio mas é a primeira vez que comento ;*

    • Deborah Sá said,

      Olá, que ótimo te ver por aqui!

      Sim, somos condicionadas a tantas coisas, direitos reprodutivos é apenas um dos assuntos que nos privam.

      Que horrível tomar anticoncepcional por esta razão =/ Saiba que em casos de estupro a lei concede o aborto, leia mais aqui Recomendo que pratique algum tipo de arte-marcial (ou o Wen Do) para se fortalecer (também psicologicamente).

      Sobre a mãe causar traumas, acho importante frisar que a educação da criança não é de responsabilidade exclusiva da mãe, somos criad@s pelo nosso círculo social inteiro, não apenas pelo que vivenciamos em nossa casa. E infelizmente mesmo com tutores cuidadosos a criança não está livre de adultos ou outras crianças mal intencionadas (sou um reflexo óbvio disto).

      Sinta-se livre para comentar quando desejar
      =*****

      • May May said,

        Deba, minha preocupação é o estresse de provar que foi um estupro. Fico imaginando como é, depois de ser violentada, ter que responder perguntas sobre como estava vestida e o que fazia na rua. Mas de qqr maneira, são só hipóteses, não vai acontecer nada de mais :)

        Você tem razão, a educação da criança nunca é de responsabilidade inteira e exclusiva da mãe, fiz esse comentário porque tem a ver com o que eu passei durante a minha infância, Aí, quando vejo acontecendo com outras crianças, sei qual é a barra que estão passando. Mas mesmo nesse caso, as mães não perdem a paciencia sem motivo: mais uma vez ouve fatores causados por todo o círculo social que as levaram a esse tipo de atitude.

        Beijos, querida ^^

      • Laura Oliveira said,

        mesmo que o aborto fosse lícito, ficaria mais barato o governo investir em segurança publica e evitar q nós fossemos estupradas, do q em clinicas médicas para um aborto seguro e gratuito. alem do mais, mesmo sendo lícito, gratuito e seguro, abortar é pior do que qqr medida preventiva, pra propria mulher.

  5. Flavia said,

    Sou 100% a favor da legalização. Acho meio estranho qdo me dizem “MEO DEOS, você é PRÓ-ABORTO???” Não, não sou pró-aborto, sou pró-ESCOLHA.

    Será mesmo que tem gente que acha que, se aborto for legalizado, mulheres grávidas e felizes vão ser raptadas e obrigadas a sofrerem abortos que NÃO queriam ter?? Não, né…acho que só querem legislar em cima dos corpos femininos, mesmo.

    Eu tento pensar no porque de alguns religiosos se preocuparem tanto com isso…se quem supostamente vai pro inferno são as mulheres que abortam, deixa elas ué! O que eles tem a ver com isso? Claro que, se o papa engravidasse, aborto seria sagrado. Se os homens engravidassem, aborto seria descriminalizado em menos de 24 horas no mundo TODO.

    Olha esse quadrinho…genial. Basicamente um homem fala um discurso pra uma mulher grávida sem condições financeiras de ter uma criança no momentp, que ela é egoísta e que não pode abortar, blablabla, e ela pergunta se ele daria dinheiro pra ela poder criar a criança, ao que ele responde: “Isso não é problema MEU =D”

    Conhece a woman on waves? http://www.womenonwaves.org/

    um abraço =)

    • Flavia said,

      Ah sim, esqueci de falar uma coisa que me chocou:

      em clínicas de inseminação artificial eles fazem abortos a torto e a direito, mas chamam de redução embrionária.

      Explico: pra garantir que a mulher vai engravidar(afinal, ela pagou caro por esse serviço), eles inserem uns 25 zigotos(acho que é esse o nome, enfim), pra garantir que ALGUM grude lá(já viram que, em casos de inseminação artificial é MUITO comum gêmeos, trigêmeos, quadrigêmios, quíntuplos, etc?), mas aí quando vários grudam eles simplismente “matam”(retiram) alguns, pros outros poderem ter espaço pra se desenvolver e tal.

      OU SEJA: quando é pra criar vida(oh, bebês!), póóóde. Quando é pra ser escolha da mulher, NÃO póóóde.

      • Deborah Sá said,

        Eu não sabia disso…
        Mas o que é o discurso cientifico e todo seu rigor perto da voz de uma mulher, não é?

    • Deborah Sá said,

      Acho que o que leva esta vigilância é o “dever cristão de salvar almas” ou ainda o temor de que através do erro dos outros, ele morra em dilúvios.
      Adorei o quadrinho :D
      Já conhecia sim ;)

      Obrigada por comentar =D

  6. Twilight Haters said,

    Apoiadíssimo!

    Acho interessante a discussão sobre o aborto em diversos meios porque, como disse a moça acima, surgem opiniões condicionadas absurdas. Morro um pouco por dentro quando me dizem “sou contra, a criança não tem nada a ver com a irresponsabilidade dos pais; mas em caso de estupro pode”.

    Me pergunto se ser gerada num momento “sujo” e sem consentimento faz a criança ser menos inocente. Ou se a carga genética do estuprador automaticamente é passada pra essa criança e ela se torna menos frágil e indefesa porque o pai, evidentemente, não tem nada de inocente. A criança continua não tendo nada a ver com a fatalidade vivida pela mãe.

    E no fim o “direito sob o próprio corpo” é só a cereja do bolo, porque a coisa começa no direito à sexualidade. Tsc, tsc. E ainda tem gente que acha que o mundo já é justo.

    • Twilight Haters said,

      Er, não vi que tava logada.

      É a Ana quem comentou. =)

      • Deborah Sá said,

        ^^

    • Deborah Sá said,

      As maioria das pessoas repetem discursos que sequer compreendem isto não significa que são intransigentes, muitas vezes nem conhecem outras perspectivas do mesmo assunto.
      Obrigada por comentar =D

  7. Camila/Vegan said,

    Também sou totalmente a favor da legalização, é a mulher quem deve decidir sobre a própria sexualidade, corpo e gravidez, e ponto.
    Essa pergunta (ou até mesmo intimação, como se o interlocutor quisesse flagrar uma incoerência nossa) – mas como assim você é vegan e é pró-ABORTO? [sic] – mostra pelo menos duas grandes informações erradas. A primeira delas é que vegetarianos/as são a favor da *vida*, ao passo que, pelo menos até onde sei, o veganismo é a favor da liberdade e vida de *seres sencientes*. E a segunda informação errada é, portanto, que feto seria um ser vivo. Cientificamente falando não é, só se a pessoa for religiosa e crer que o feto possui “alma” e vida desde a concepção.
    Porém, impor esta crença em um Estado laico é absurdo, e mostra quanto poder que a bancada religiosa detém no governo, assim como o quanto que a opinião pública inflencia na tomada de decisões ditas “polêmicas”.
    Para variar, a mulher é sempre a última a ser questionada, e sempre uma das primeiras a ter seus direitos negados.

    • Deborah Sá said,

      Obrigada por comentar, concordo com tudo o que disse :)

  8. Luiz H. said,

    Muito bom o texto, Deborah. Bem escrito e deixaste claro teu posicionamento, duas coisas que eu respeito.

    De minha parte, evito posicionamentos “binários” ( anti-aborto X pró-aborto). Acho que a questão é mais complexa do que isso. Realmente, pequenos aglomerados de células no começo de uma gestação dificilmente podem ser encarados como uma criatura senciente e nenhuma mulher deve ser obrigada, por lei ou código moral/religioso nenhum a carregar o filho de seu estuprador, colocar em risco a sua vida numa gestação ou dar à luz um ser sem cérebro que viverá, no máximo, por cinco minutos.

    Porém, não creio que seja ético interromper uma gravidez saudável, de um ser que sobreviverá ao parto e que já esteja no estágio de algum desenvolvimento cerebral (nesse caso, ele sente dor e medo, mesmo antes da saída do útero da mãe, e provavelmente é consciente de si mesmo). Mesmo que essa gravidez seja indesejada, se o ato sexual foi consensual, a solução mais adequada e responsável, pra mim, é disponibilizar o bebê para a adoção.

    Espero que meu posicionamento não tenha ofendido ninguém. :)

    Acompanho o blog há muito tempo e gosto dele, mas é a primeira vez aque comento.

    Abraço, não pare de escrever.

    • Deborah Sá said,

      Olá Luiz,

      Bacana te ver por aqui ^^
      Sobre o bebê ter medo e sentir dor, como disse a Ana acima:

      Me pergunto se ser gerada num momento “sujo” e sem consentimento faz a criança ser menos inocente. Ou se a carga genética do estuprador automaticamente é passada pra essa criança e ela se torna menos frágil e indefesa porque o pai, evidentemente, não tem nada de inocente. A criança continua não tendo nada a ver com a fatalidade vivida pela mãe.

      Gostaria de saber por que “damos o consentimento” ao corpo de outra mulher com base em nossa moral, desconsiderando o desejo de quem engravida sobre o próprio corpo.

      • Luiz H. said,

        Bom questionamento.
        Sobre isso só posso dizer o seguinte, sempre baseado em meu próprio juízo:
        Independente da motivo, qualquer aborto de um feto saudável deve ser feito cedo.
        No caso de estupro, o aborto deve ser feito o mais rápido possível. Aliás, o ideal seria erradicar o estupro, mas já ocorrido, medidas abortivas devem ser tomadas imediatamente.
        O que eu acho o grande complicador não é a questão moral sobre a “inocência” da criança, mas já haver algum desenvolvimento cerebral. É o caso em que o ser se torna senciente e vulnerável ao sofrimento.
        Nesse caso, por mais que se argumente a favor do arbítrio da mulher sobre o próprio corpo, com o que concordo, temos DUAS criaturas sencientes a considerar. Felizmente. é uma situação evitável.
        Abraço.

      • Deborah Sá said,

        Luiz,

        Como lhe disse via MSN nada justifica a intervenção no corpo de terceiros sem autorização ou concordância. Quem carrega o feto dentro de si deve ter autonomia sobre o próprio corpo. E lembrando, é questão de saúde pública.

  9. Estefano Nascimento said,

    Muito bom texto,

    Muito bom não só por levantar a questão do aborto em si, mas também por levantar as questões políticas e sociais que a maioria as pessoas que são contra o aborto, preferem ignorar.

    Seja por uma opção religiosa (que deveria ser apenas uma opinião pessoal, não uma opinião a ser imposta a um Estado laico), seja pelo puro conservadorismo de quem se diz pró vida, e não se importa com femicidio de pobres e negras, do estupra mas não mata, ou dos que comem carne de vaca achando que vida é um atributo exclusivamente humano…

    De qualquer forma, parabéns pelo texto =D

    • Deborah Sá said,

      Obrigada :D

  10. fabi said,

    Hei, disponibiliza o link pra gnt ver tua entrevista!!

    • Deborah Sá said,

      Além de selecionarem um trecho (muito) pequeno da minha fala, as imagens não são armazenadas no site da emissora, só transmitem a programação ao vivo. Sinto muito =/

  11. Raiany said,

    “”Educação para decidir, contraceptivos para não abortar, aborto seguro para não morrer!”

    O seu ponto de vista visando a saúde da mulher está ótimo!
    Apesar da minha opnião ainda ser contra a legalizaçao do aborto,não por uma questão religiosa,pois partir desse principio seria uma opnião bitolada e primata,O fato é quanto a conscientizaçao!
    Sou a favor em casos de estupros ou até mesmo por uma escolha caso seja detectado algum problema no feto,ou falta de condiçoes financeiras.
    Mas em virtude de que ainda possuimos uma juventude um tanto quanto alienada tenho receio de que o ato acabe sendo banalizado.E recorram ao aborto esquecendo a camisinha e todos os metódos contraceptivos.Entao,acho importante ao tocar no assunto Legalizaçao do aborto falarmos de uma maneira extrema,ou seja,adotarmos a ideia em ultimo caso nunca esquecendo que existem vários outros meios pra se evitar uma gravidez.

    • Deborah Sá said,

      Olá Raiany,

      Em nenhum momento do post sugeri que o aborto era a única medida, defendo todas as formas de contracepção, inclusive maior investimento em campanhas de conscientização e acesso facilitado á laqueadura e vasectomia. Meu foco é não ignorarmos a morte de mulheres pobres e negras e a hipocrisia das famílias de classe média que dizem militar contra o aborto, muito embora se a sobrinha/filha engravidar em momento indesejado oferecerá a clínica de um amigo médico.

      Obrigada por comentar :)

  12. Deborah said,

    Curioso!

    Todos que são a favor do aborto já nasceram!!

    Hey,Xará,se você acha horrível arrancar a pele de um animal para fazer\casaco,porque não acha horrível arrancar a pele de um embião?

    Contra aborto e mortandade de animais já!!
    Que tanto os bezerros nos ventres das vacas e os embriões nos ventres das mães tenham suas pequenas vidas sagradas e respeitadas

    Vamos lutar contra casacos de pele feita de animais inocentes e contra o assassinato de crianças humanas inocentes

    Deborah

    • Deborah Sá said,

      Oi Xará :)

      E tod@s os que são contra nunca colocaram a própria vida em risco enfiando uma agulha de crochê na vagina cientes que muito provavelmente, não seriam socorridos por outr@s que reprovariam o ato.

      O animal que arrancam a pele já nasceu, o embrião não. Você aceitaria que sua mãe/irmã/amiga morresse em um parto para “salvar” um “bebê” que nem nasceu?

      Se engravidar um dia, é você que deve decidir sobre o próprio corpo. Não o estado, a igreja ou alguém que não ajudará a sustentar a criança, nem topa transferir sua barriga para a dela durante nove meses, com inchaço, enjôo e tudo mais (até porque é impossível, mas aposto que a grande maioria das pessoas não aceitaria isto).

      O aborto é um fato (quer você seja contra ou não), antiético é que apenas mulheres negras e pobres morram para manter essa hipocrisia escondida “embaixo dos panos”.

  13. Roy Frenkiel said,

    Vejo que a maioria aqui apoia. Muito bem, assim deve ser ;-) Espero que algum dia voces tambem tenham seu “Roe v. Wade”.

    bjx

    RF

    • Deborah Sá said,

      :)

      Para quem não sabe do caso “Roe vs Wade” clique aqui

  14. Raiany said,

    Deborah,compreendi que voce nao sugeriu o aborto como unica medida,apenas coloquei em questão meu ponto de vista complementando o que voce falou.
    Desculpa aêe a invasão no seu blog,eu particularmente o adorei por tratar de tabus (sem hipocresia de nova sociedade século XXI,sabemos que temas como aborto,homossexualismo ainda são tabus) como ferida exposta!
    Sem puxar saco…me perdi no seu blog.

    xeru’ Até…

    • Deborah Sá said,

      Obrigada Raiany :D
      Este espaço é para troca de idéias, participe, até (principalmente!) quando discordar do que digo. Através de outros pontos de vista qualquer diálogo torna-se mais interessante!
      Namastê!

  15. Daniela said,

    Oi Deb! (intimidando, mas nem ligo)

    Eu sou totalmente a favor da descriminalização do aborto, justamente por haverem tantas opiniões diferentes e pelo fato de que cada pessoa tem o direito de fazer o que bem entender com o seu próprio corpo.

    Pessoalmente eu não abortaria, a não ser no caso de profundo trauma psicológico ou depressão, como em um estupro, em que eu sei que isso seria a morte para meu emocional. Mas no caso de uma “simples” gravidez indesejada, me esforçaria para poder me oferecer a essa criança como uma boa mãe. O motivo? Não conseguiria lidar com o fato de ter abortado anos depois, justamente por desconhecer quando começa a “vida”, as sensações que a criança tem no útero, e isso me levaria à morte emocional também.

    Sim, os dois motivos (do porquê abortaria se fosse estupro e do porquê não abortaria se não fosse) são egoístas, mas os escrevi por que justamente ilustram as diferentes opiniões e sentimentos sobre o assunto.

    Falei e viajei demais. Foi mal!

    Beijos!

    • Deborah Sá said,

      Pode chamar de Deba (lê-se Déba) se quiser, é assim que @s mais próxim@s me chamam :)

      É bacana expor seu(s) ponto(s) de vista aqui, quanto maior o número de idéias, melhor o debate. Sinta(m)-se a vontade para escrever o quanto quiserem.

      =****

  16. Luciana said,

    Excelente texto! Aliás, excelente blog, adorei = )

    O tema é polêmico. E sinceramente? Não sei se eu, Luciana, faria um aborto, por zilhões de motivos particulares… Mas, me confortaria muito ter a opção de faze-lo legalmente, se fosse de minha vontade. Acho que é isso que algumas pessoas não entendem. Ter a opção de escolha é importante.

    Não sei por que algumas pessoas questionam a relação vegetarianos/veganos e aborto… =/ … Colocam tudo no mesmo balaio, esquecendo contextos e situações. Resta saber se nesse raciocínio torto igualam o gado a condição humana OU igualam as mulheres a condição de gado… [ressalva aqui! nada de discriminação, pois em minha visão todos os animais – inclui-se aí o animal humano – deveriam viver em harmonia… todos os outros ja sabem disso, a besta humana esqueceu faz tempo…]

    Se for a primeira opção, mundo controverso “dusinfernos”, né? Por que somente nessa situação? Por que não igualar na hora de comer, de vestir e de se “entreter” na cáca da festa de peão?
    Se for a segunda opção, lembrei de uma música do Zé Ramalho, hahaha (não sou fã, mas lembrei).. Vida de gado…
    Povo tão gado que nem direito a escolha tem. Alguma novidade? rs

    Abraços = )

    • Deborah Sá said,

      Obrigada por comentar Luciana, concordo com seus posicionamentos. :)

  17. Felipe said,

    Essa questão do aborto é complicada. De um lado temos o fato de exterminar uma vida, de outro, a de uma mulher sem condições para criar seu futuro filho (situação que acontece inúmeras vezes). Sou a favor da legalização mas acho que deveria haver também uma política pública para conscientizar as mulheres à proteção e evitar que esse dano ocorresse.

    Gostei do post!
    bjs

    • Deborah Sá said,

      Obrigada,

      Beijos

  18. Liana said,

    batendo palmas pro seu texto.

    Posso publicá-lo em meu blog, obviamente citando a fonte?

    • Deborah Sá said,

      Obrigada :D
      Sim :)

  19. Liana said,

    Postagem com seu texto (fonte citada, obviamente) e um texto antigo meu sobre este assunto programada pra ser publicada amanhã (é q eu não gosto de postar mais do q uma coisa por dia).

    Se interessar, dá uma olhada no meu texto, acho q é bem complementar ao seu: http://lifeisdrag.blogspot.com/2010/08/aborto.html

  20. Laura Oliveira said,

    eu sou CONTRA A CRIMINALIZAÇAO DAS MULHERES QUE PRATICAM O ABORTO.. sou absolutamente contra! mas nao sou afavor do aborto livre até o nono mês de gravidez, pq acredito q ISSO NAO EXISTE! nenhuma mulher engravida, fica nove meses esperando pra ABORTAR! ninguem engravida pra abortar! E cabe as mulheres, e somente as mulheres que tem útero e vágina, mulheres que sao gravidas em potencial, DECIDIR sobre os SEUS CORPOS, mas ai vem a religião, e diz o seguinte ” o estado eh laico, agente sabe! mais somos, espiritas, somos evangelicos, somos judeus, somos catolicos, somos islamicos, somos a maioria entre os laicos, e decidimos q o patriarcado prevalece, até q deus seja chamado de deusa!”
    dai com esse discurso, mas nao com essas palavras, eles deturpam a lei do aborto, e continuam tendo total dominio sobre o corpo feminino. dizem q o feto tem alma, e que quem aborta é infanticida.
    triste, mais eh assim q pensa a santa ignorancia.

  21. Laura Oliveira said,

    e pelo mesmo motivo esses fundamentalistas religiosos empatam o progresso cientifico das pesquisas com celulas tronco..
    pesquisas q podem curar doencas q nao tem cura atualmente.. os caras empatam, pela alma do embriao q eh divina! mas essa gente nao faz nada pelos negros q morrem de fome na africa, ou pela galera q morre de fome na rua perto deles, ou aqui no nordeste.. nao mandam uma sexta basica.. nao criam o filho de ninguem..dizem q o sexo é pra reproduçao, e nao pro prazer… num mundo superpopuloso como o nosso.. falam em nome de DEUS TODO PODEROSO CRIADOR DO CÉU E DA TERRA, q fez o homem do barro a sua imagem e semelhança e a mulher da costela desse homem.. pelo menos na biblia, no GENESE, tem registro dum homem que PARIU uma mulher.. adão..

    • Laura Oliveira said,

      so pra fechar com coerencia..

      adão era o unico homem com conhecimento de causa pra opniar sobre o corpo q engravida e dá a luz.. ele sabia oq era parir.. mas o resto nao… e a biblia diz, quem pariu mateus q o balance..
      abortar nem pensar q eh pecado e crime.. sua funçao eh parir mateus e balançar.. pq sua vida nao importa, deus te fez pra parir mateus e embalar.. =P nao queira ser livre como os homens q eh mt pretençao da nossa parte..
      MORTE A ESSE DEUS PATRIARCAL, em nome Dele, os direitos humanos estao sendo engavetados.. PDH3 e que se foda o fundamentalismo religioso d vcs..

  22. Deborah Sá said,

    Laura:

    • valeria de fatima gomes said,

      o aborto existe, e está muito longe de acabar devido a falha que há na extrutura social, pois o governo é omisso a esta problemática , no Brasil por exemplo grande parte da população é carente , de saúde , de educação e de conhecimento, e também grande parte da população vive em situação vulnerável sem conhecimento de seus direitos. há projetos suficientes para ajudar a população, mas falta expandir mais, nas escolas nas ruas , nas residências, pois pobre não lê jornal, se quer tem internet, e muito menos tem dinheiro para comprar um anticoncepcional, isso falando de pessoas que moram nas cidades, e aquelas pessoas que moram como por exemplo ( a população ribeirinha do estado do Pará ,quen é uma população que vive no esquecimento, só tem médico quando, aparece algum voluntário, pois para o governo custa caro garantir o direito dessas pessoas, custa caro dar respeito a quem precisa enfim dar informação a quem precisa,urgentemente. Pois parte das mulheres ribeirinhas na faixa de vinte anos de idade tem pelo menos , nove filhos ou seja lá não existe pré natal, se quer sabem o que é isso

  23. Luiz said,

    Oi sei q é um pouco tarde pra fazer esse comentário, isso pq eu não conhecia esse blog antes, começei a ler ele agora, mas quero dizer q concordo plenamente com vc, e antes teve um debate no cursinho onde eu estudava, sobre este assunto. Se vc puder um dia gostaria q vc participasse do documentario q nos estamos produzindo sobre o machismo. Seria legal tbm se participasse do grupo de discussão de genero. De qualquer forma gostei mto dos seus argumentos queria poder escrever assim igual vc.

  24. […] aborto é crime. Sociedade machista e hipócrita de merda, acha que tem o direito de regular o que a mulher faz com o próprio corpo. Enquanto mulheres de classe média podem pagar por essa liberdade em clínicas especializadas, […]


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: