9 setembro, 2010

Coletor Menstrual

Posted in Corpo tagged , , , às 11:44 am por Deborah Sá

Minha primeira menstruação ocorreu aos 12 anos, uma tia acolheu explicando que aquele processo natural não tardaria a ocorrer como uma etapa da puberdade. Com nojo e extremamente irritada habituei-me ao Atroveran e pacotes e mais pacotes de absorventes. De natureza dramática, o mênstruo não seguiria outro ritmo: Dormia de lado e acordava em direção ao banheiro, após o banho continuava o habitual: Limpar o corredor, a cama, os lençóis e o que mais deixasse evidente que alguém sangrando acordou. Foram muitas as vezes que saí chorando da escola devido a um “vazamento”, até que o Ginecologista sugeriu o uso de Anticoncepcionais para conter o fluxo.

Embora “estabilizado” ainda era mais intenso do que de outras mulheres e me incomodava ter de trocar o absorvente a cada duas horas nos primeiros dias.

Inconvenientes do absorvente interno convencional

* É caro
* A cordinha incomoda
* Pode vazar (para quem tem um fluxo muito intenso)

Inconvenientes do absorvente externo convencional

* Tem cheiro ruim
* O sangue “espalha” dando uma impressão maior de fluxo.
* Provoca assaduras
* Não “protege” o contato da pele com o sangue seco
* “Embola” enquanto dormimos
* Marca na roupa

Coletor Menstrual
(Ou como gosto de chamar: “Copinho”)

Há quase dois anos, descobri uma alternativa ao uso dos absorventes convencionais, mais higiênico, prático e seguro:

O meu é da marca Lunette

Como o Coletor Menstrual funciona?

Recomendo que “pratique” a introdução do Coletor, dias antes da menstruação e após o início, use absorventes externos até sentir-se segura.

Compre uma panelinha para a esterilização (pode ser uma leiteira pequena) e reserve-a somente para isto. Antes do primeiro uso, coloque o Coletor em água fervente por três minutos. Retire-o com cuidado e deixe descansar sobre um pano limpo. Depois de frio, dobre ao meio e introduza na vagina (prefiro fazê-lo sentada na privada), segurando-o na base.

Deste modo

Quando estiver dentro, gire-o e ele se “abrirá”, a pressão (costuma fazer um pequeno som) será responsável por não deixar o copo cair.

**É importante que você esteja calma, pois a tensão irá dificultar o processo. Fique tranqüila, não dói**

Ande, sente, deite, verifique se está confortável, caso algo incomode, tire e tente novamente, há quem demore dias, semanas e até meses para se habituar ao uso do Coletor, tudo depende do conhecimento da própria anatomia. Nós mulheres não somos estimuladas a conhecer o próprio corpo, fazendo-se necessário este período de adaptação.

Em último caso é possível cortar um pedaço do “cabinho”

Para retirar, basta “forçar” para baixo (do mesmo modo que fazemos xixi).

Dica:
Se colocar o copinho enquanto menstruada (em local público, sem a possibilidade de tomar uma ducha) use um pedaço de papel higiênico na calcinha para prevenir manchas.

Higienização

– Só é preciso esterilizar após o término de cada ciclo.
– Pode ser lavado no chuveiro após o banho
– Quando estiver fora de casa e precisar trocá-lo em um banheiro, leve uma garrafinha com água (ou lenços umedecidos).

Quais as vantagens?

Nosso sangue não é sagrado tampouco sujo, ao contrário da lógica: “Enrolar, esconder, jogar no lixo, abrir outro pacote e reiniciar” o contato com a menstruação pode ser uma experiência nova. Com o Coletor o sangue concentra-se sendo perceptível a real quantidade de fluxo, aspecto e odor, possibilitando urinar, práticas de exercícios, masturbação e sexo oral (sem vazamentos).

Onde comprar?

No Guia Vegano por R$ 60,00
Pode durar até 10 anos (economia em absorventes!)

Então, o que aconteceria se, de repente, como num passe de mágica, os homens menstruassem e as mulheres não?

Claramente, a menstruação se tornaria motivo de inveja, de gabações, um evento tipicamente masculino: Os homens se gabariam da duração e do volume. Os rapazes se refeririam a ela como o invejadíssimo marco do início da masculinidade. Presentes, cerimônias religiosas, jantares familiares e festinhas de rapazes marcariam o dia.

Para evitar uma perda mensal de produtividade entre os poderosos, o Congresso fundaria o Instituto Nacional da Dismenorréia. Os médicos pesquisariam muito pouco a respeito dos males do coração, contra os quais os homens estariam hormonalmente, protegidos e muito a respeito das cólicas menstruais.
Absorventes íntimos seriam subsidiados pelo governo federal e teriam sua distribuição gratuita. E, é claro, muitos homens pagariam mais caro pelo prestígio de marcas como Tampões Paul Newman, Absorventes Mohammad Ali, John Wayne Absorventes Super e Miniabsorventes e Suportes Atléticos Joe Namath — “Para aqueles dias de fluxo leve”.
As estatísticas mostrariam que o desempenho masculino nos esportes melhora durante a menstruação, período no qual conquistam um maior número de medalhas olímpicas.
Generais, direitistas, políticos e fundamentalistas religiosos citariam a menstruação (“men-struação”, de homem em inglês) como prova de que só mesmo os homens poderiam servir a Deus e à nação nos campos de batalha (“Você precisa dar seu sangue para tirar sangue”), ocupariam os mais altos cargos (“Como é que as mulheres podem ser ferozes o bastante sem um ciclo mensal regido pelo planeta Marte?”), ser padres, pastores, o Próprio Deus (“Ele nos deu este sangue pelos nossos pecados”), ou rabinos (“Como não possuem uma purgação mensal para as suas impurezas, as mulheres não são limpas”). Liberais do sexo masculino insistiriam em que as mulheres são seres iguais, apenas diferentes. Diriam também que qualquer mulher poderia se juntar à sua luta, contanto que esconhecesse a supremacia dos direitos menstruais (“O resto não passa de uma questão”) ou então teria de ferir-se seriamente uma vez por mês (“Você precisa dar seu sangue pela revolução”).
O povo da malandragem inventaria novas gírias (“Aquele ali é de usar três absorventes de cada vez”) e se cumprimentariam, com toda a malandragem, pelas esquinas dizendo coisas tais como:
— Cara, tu tá bonito pacas!
— É cara, tô de Chico!

Memórias da Transgressão, Momentos da História da Mulher do Século XX / Gloria Steinem; Tradução de Cláudia Costa Guimarães – Rio de Janeiro: Record Rosa dos Tempos, 1997 (Pgs 416-418)

Update :)

Em 10 de Dezembro de 2010, anunciaram nos comentários o primeiro coletor menstrual Brasileiro:
http://www.misscup.com.br

25 Comentários

  1. Camila/Vegan said,

    adorei o post, coletor menstrual é o que há :D
    falo sem nenhuma dúvida que o coletor foi uma das melhores coisas que inventaram, já que é econômico, antialérgico, higiênico, indolor, ecologicamente viável e ainda proporciona a nós mulheres um conforto e conhecimento de nossa anatomia que não nos é estimulado.
    Quebra ainda alguns mitos de que a menstruação seja “suja” e “fedorenta” (a menstruação só fica com cheiro nos absorventes externos por causa do contato com o ar).
    Sem contar ainda que o coletor é útil também caso a mulher tenha muito corrimento na época da ovulação. Outro ponto positivo é que ele é feito de silicone cirúrgico, material antialérgico, o que é ótimo para as pessoas que tenham alergia a látex (eu por exemplo, rs).

    Gosto muito do meu coletor, e acho uma pena que tantas mulheres o achem “nojento” – mostra o quanto fomos condicionadas a ter medo e asco do próprio corpo.
    No mais, concordo com a Gloria Steinem: se homens menstruassem, o que ela ironicamente escreveu é o que provavelmente ocorreria, mesmo.

    • Deborah Sá said,

      A impressão que dá (depois de nos acostumarmos) é “Como é que vivi sem isto antes?”
      É importante divulgar esta idéia, será útil a muitas mulheres :)

  2. fayna paste said,

    kkkkk
    adorei!!!!!!

  3. fayna paste said,

    menina tu é muito inteligente e criativa!!!

    • Deborah Sá said,

      Obrigada :)

  4. Raiza said,

    Muito interessante o texto.Já tinha lido sobre o coletor menstrual,mas assim explicadinho,com imagens e tudo é a primeira vez.Serviço de utilidade pública Deborah!Antes eu já queria experimentar,agora fiquei com mais vontade ainda.Que o sangue só cheira mal (pelo que dizem,porque eu não sinto) por causa do contato com o ar é novidade pra mim.Tinha ouvido a explicação misógina de que fedia porque fedia mesmo.
    A bem da verdade,eu não tenho problemas com o absorvente externo (o interno nunca usei).Um ou outro provocou alergia,mas foi só trocar por outro tipo que parou.E como meu fluxo é irrisório o gasto é mínimo.Mas já que tem uma opção tão melhor,porque não tentar?
    Obs:Sobre cheiros,o que você acha dessa história de que as mulheres exalam odores mais fortes (todos eles,suor,hálito,etc) durante a menstruação?Eu acho que continuo cheirando normal.Acha que procede ou é mais uma dessas teorias “científicas” misóginas?
    Obs 2:Vi sua resposta ao post do BDSM,que bom que contribui pra discussão =]

    • Deborah Sá said,

      Olá!

      Creio que o Coletor indicado para você é o número 1 (são dois tamanhos, o primeiro para aquelas com menos de 20 anos e/ou pouco fluxo, eu uso o de número 2).
      Nunca senti odor “ruim” de qualquer mulher que convivo neste período, a associação “suja e fedida” é feita com atribuições femininas, o maior exemplo é quem diz que vagina tem cheiro de bacalhau (!), pessoalmente julgo o cheiro (incluindo da minha) extremamente agradável. [Me inspirou, acho que vou escrever sobre a vagina].

      Beijos querida (depois que usar um, escreva sobre!)
      =****

      • Raiza said,

        Obrigada pelas informações.E escreva sobre a Vagina sim,vai ser muito interessante.

      • Deborah Sá said,

        :)

  5. Chris said,

    Já li sobre o coletor e também sobre os “abiosorventes” e ambos me parecem alternativas melhores ao absorvente convencional. Gostei das suas dicas. Você ainda usa ACO?

    • Deborah Sá said,

      Chris :)

      ACO = Absorvente convencional?
      Se sim, eu só uso o copinho (e algumas vezes um pedaço de papel higiênico para prevenir vazamentos).
      O coletor é uma ótima escolha :)

      Abraços

  6. Que bom, um texto explicadinho e em português! Utilidade pública mesmo! Pesquisando, achei muita coisa em inglês, razoável em francês e quase nada do Brasil. Vou indicar pras amigas!! =o]
    Comecei a usar faz pouco tempo (1 ciclo) e estou amando! Verdade que ainda não me acostumei 100%, mas descobri tanta coisa sobre minha anatomia e meu fluxo nesses dias e que nunca tinha notado nesses 15 anos de menstruação… E olha que sempre me achei “avançadinha”, usava tampões mesmo adolescente e sem problemas para me tocar.
    Os sites franceses insistem que o coletor liberta a mulher e tenho que concordar.
    Parabéns pelo post!

    • Deborah Sá said,

      Obrigada Aline!
      Certamente o coletor ajudaria (e muito!) na vida das Brasileiras. Creio que nem deve ser tão caro produzir por aqui, mas certamente seria uma grande “briga” com as produtoras de absorventes convencionais (que devem faturar alto).
      Beijos
      =****

      (E obrigada por divulgar a idéia)

  7. debora, me diz uma coisa… esse trequinho embaixo serve soh pra puxar? ou ele abre e deixa o sangue sair? como eh? aqui na frança o sanitario fica separado da ducha/pia. entao, nao sei se seria muito pratico ter que tirar o copinho no sanitario e depois sair com as maos de sangue ate o banheiro. mesmo que haja lencinhos e tal, acho muito incomodo ainda. mas queria tentar, uma amiga que morava comigo tem um desses e fez a maior propaganda. economico e ecologicamente correto. acho que vale a pena tentar. soh ainda nao sei direito como funciona essa parte final do copo…

    • Deborah Sá said,

      Oi Luciana!

      É sempre bacana te ver por aqui ^^
      Quanto a sua dúvida: Este “cabinho” serve para ajudar a “puxar” e não é uma abertura, (não vaza nada por ali).
      Lembrando que o tempo máximo indicado entre uma troca e outra (esvaziar) é de 12 horas. Nos três primeiros dias do ciclo eu o esvazio a cada cinco horas, já minha irmã que tem o fluxo bem mais baixo troca a cada seis horas. Nos últimos dias esta troca aumenta para 12 horas.
      Poucas vezes tive de esvaziar em locais públicos, e quando precisei fiz da seguinte maneira:
      – Forrei o assento, sentei (acho mais cômodo colocá-lo sentada)
      – Tirei o copinho
      – Coloquei um papel higiênico na vagina (para facilitar o processo)
      – Joguei o sangue na privada
      – Passei uma água (de garrafinha)
      – Tirei o papel higiênico
      – Coloquei o copinho
      – Fim

      Parece complicado, mas é bem simples.
      Muitas mulheres pensam que manusear o copinho fará a maior “meleca”, mas quando passamos a usá-lo notamos que o que parecia uma “cachoeira” na verdade é um “conta-gotas”, experiência de quem sempre teve um “super fluxo”.
      Boa sorte (e depois me conta!)
      Beijos

      • ah, que legal! bom, vou tentar comprar um por aqui. acho um pouco caro, mas uma vez tendo adquirido o produto, a economia se faz a longo prazo. e com certeza vai valer a pena. ;)

        valeu pela explicaçao e parabens pelo post!

        beijos!

      • Deborah Sá said,

        Obrigada :)

        Depois me conta ^^

  8. Giulia said,

    Você foi boazinha com os absorventes internos. Eu era acostumada com o interno pq o externo, pra mim, é meio absurdo e acho até covardia comparar com o coletor :P. Mas, apesar de usar, sempre senti aflição de ter um algodão cheio de química sugando tudo e mais um pouco dentro de mim. (quando saía rasgando, só conseguia pensar naquelas histórias de mulheres com um monte de algodão preso)

    Me surpreendi com o coletor pq não conseguia imaginar como um negócio desse tamanho poderia ser mais confortável do que ob. É tão confortável que o único perigo é esquecer que tá com ele. Tirando que eu achava que seria difícil não fazer nem uma sujeirinha pra manusear fora do chuveiro, mas, denovo, me surpreendi.

    Coletar a menstruação sem agredir o corpo, perceber que o sangue não tem cheiro, tar sempre “limpa” e não ter que se incomodar com uma cordinha nojenta faz a menstruação ser só uma parte do ciclo, não um estorvo.

    • Deborah Sá said,

      Não me sentia bem usando absorventes internos e também “esqueço” diversas vezes de tirá-lo após o banho :P
      Fico muito contente com a repercussão deste post :)

  9. Flávia said,

    Déborah, o meu coletor tb é o Lunette, amo!! O cabinho é tão molinho q nem sinto q preciso cortar…=)

    Ah, acho que vc se esqueceu de mencionar que, ao tirarmos o coletor, temos que, primeiro, quebrar o vácuo do copinho…ou vc consegue tirar com o vácuo?(já li meninas dizendo que tiram com o vácuo sem problema, mas eu pelo menos, não consigo!)

    • Deborah Sá said,

      Olá Flávia,

      Não enfrento problemas com o vácuo, nem sabia que algumas mulheres passam por isso.
      Obrigada por compartilhar sua experiência :D

  10. MissCup said,

    Lançamos o único coletor menstrual brasileiro!
    Uma solução prática, econômica, ecológica e higiênica que substitui os absorventes femininos.
    Produzido 100% em silicone medicinal, adequa-se perfeitamente ao corpo.
    Oferece até 12 horas de proteção e conforto
    Saiba mais pelo site http://www.misscup.com.br ou direto na loja virtual loja.misscup.com.br .

  11. MissCup said,

    Olá.
    Lançamos o único coletor menstrual brasileiro!
    Uma solução prática, econômica, ecológica e higiênica que substitui os absorventes femininos.
    Produzido 100% em silicone medicinal, adequa-se perfeitamente ao corpo.
    Oferece até 12 horas de proteção e conforto
    Saiba mais pelo site http://www.misscup.com.br ou direto na loja virtual loja.misscup.com.br .

  12. […] Coletor Menstrual, post da […]

  13. Olá! Querid@s

    Especializada em Ecologia Feminina, compre:
    coletores,
    bio-Absorventes,
    pulseira anti-enjoo,
    urine em pé no site:

    http://www.luartemisia.com.br

    Assistam aos videos:
    http://www.youtube.com/user/Artemisia75444455/videos?flow=grid&view=0

    Mais informações:
    arte.misia@ymail.com


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: