8 abril, 2010

Críticas ao movimento Straight Edge (SxE)

Posted in Animais, Consumo tagged , , às 12:49 pm por Deborah Sá

Se você não sabe o que é Straight Edge (abreviado para sXe ou SxE) clique aqui.

Há algumas semanas atrás um rapaz no metrô me perguntou se eu era vegana (estava com a camiseta “Abolicionismo Animal: Não queremos jaulas maiores, queremos jaulas vazias”).

Em seguida disse:
– Mas que legal! E quando será a próxima Verdurada?
– Ah cara, eu não gosto desses eventos. Tenho “birra” de SxE, galera que se diz libertária e é um bando de machista escroto! – Ele usava uma camiseta do Gandhi-

– O que é uma contradição né? Como alguém pode defender a libertação animal e defender o machismo, o racismo?

Não é porque a pessoa defende uma ideologia libertária (verbalmente) que sua prática o é, se sua prática é, não implica que seja libertário em outros âmbitos.

Sei que rappers fazem letras misóginas*, veganos fazem piadas homofóbicas, gays cobram outros de terem corpos malhados e moradores de favelas xingam seus vizinhos de “favelados”.

Na cena Straight Edge é comum ver grupos de garotos tatuados organizando eventos, apresentando suas bandas e suas namoradas retraídas com visual pin-up. Geralmente estas jovens são conhecidas como “namorada do fulano” (não pelo nome delas), quase não se manifestam em uma postura bem retraída.

Freqüento alguns espaços comuns aos sXe já que muitos oferecem lanches veganos. Algumas pérolas que ouvi nestes espaços:

Espaço Impróprio: Embora o local contenha pôsteres com dizeres “Não somos sexistas ♀” já ouvi grupos de freqüentadores falando mal de mulheres.

Vegacy: Adoro a lanchonete: O atendimento é ótimo, clima agradável e preços acessíveis. Mesmo com isto, ouvi mais de uma vez freqüentadores e atendentes conversarem sobre “Mulheres que não se valorizam”, “Vagabundas que ficam com todo mundo”.

A pior conversa que já ouvi nestes espaços foi no Vegethus em um rodízio de pizza.
Um grupo de rapazes ao meu lado (Straight Edge) amigos de um conhecido meu riam ao contar o quanto um vídeo de estupro era engraçado.
Imitavam com desdém a resistência da mulher, forçavam coquetismos e ignoravam completamente qualquer tipo de empatia. Cansada com besteiras ouvidas anteriormente somadas a esta prova máxima de brutalidade respondi:
– Cara “numa boa”! Isso não é engraçado! Não é.
– Uhahahah é sim
– Está falando isso porque não conhece ninguém que passou por isso.
– Uahahhaha…é!
– É… Porque não é no rabo da sua mãe!
– É, ela tá sentada no sofá uahahha

Falei para o conhecido que não acreditou quando informei as palavras mais usadas para os que acham o meu blog: Vídeos de estupro – Viu? Não disse que se excitam com isso? Que acham graça? Não te disse?

Por sorte estava quase pra sair. Fui embora me despedindo com um punho fechado e erguido: – Valeu hein? Boa noite pra vocês!

Gloria Steinem e Dorothy Pitman Hughes

Estes absurdos são percebidos no movimento punk, anarquista, esquerdista…

Repetindo o que eu disse a um punk certa vez:
Meu, usa o couro da sua jaqueta pra encadernar bíblia, sua idéias não são diferentes de um ancião religioso.

*Fim de Semana no Parque – Racionais

“De verde florescente queimada sorridente
A mesma vaca loura circulando como sempre”
“Olha quanto boy, olha quanta mina afoga essa vaca dentro da piscina”

Conheça o projeto Hip Hop Mulher

Update: Sei que existem SxE que defendem o feminismo, um exemplo indicado pela Cely está aqui.

Update²:
Muitos SxE’s são ótimos, minha intenção não foi dizer que todo mundo desse meio é escroto e sim denunciar a estranheza que é perceber o machismo desses espaços ditos “sem preconceitos” da mesma forma que me espantaria ver essas posturas em locais de esquerda. Já presenciei discussões sobre o jeito certo de “pisar na cabeça dos outros, sem machucar (sic!)”, bem como já vi propostas muito bacanas de debate. Peço o mínimo de senso crítico da parte dessa galera que me faz excluir comentários que me chamam de “vadia” (entre outros), fazendo ameaças e distribuindo raiva. Usem a revolta de vocês para algo de produtivo, criando boas músicas, trocando idéias, o machismo de vocês (ou de qualquer um) não torna qualquer discussão em um ambiente saudável, na realidade só demonstra imaturidade e um senso de igualdade muito torto. Antes de me enxergar como inimiga: Releia o texto (os links que deixo) mais de uma vez. Sou Feminista, Vegana, nunca usei drogas por priorizar a sobriedade (além de achar desagradáveis os odores desses produtos), esse blog é um espaço para construção de idéias e tod@s são bem vindos, mas os tacanhos embriagados de ódio serão banidos.

30 Comentários

  1. Lametntável.. mas penso que essa tomada de consciencia vai acontecendo gradualmente…Movimento pela liberdade, depois contra o racismo… depois o feminismo…direitos dos homossexuais, pelos direitos dos animais… luta por igualdade social.. Parece que vem como ondas, e com o tempo um número maior de pessoas vão aderindo, tomando consciencia.. e so depois quea cisa ganha visibilidade, algumas pessoas passama admitir que as lutas se complementam…

    o que é lamentável nestes grupos é que sua ideologia libertária tem relação direta com o que lhes convém… Mas sejamos otmistas.. podia ser bem pior…

  2. É isso existe em todos os “guetos”. Falamos disso já em sala né Deb? Mesmo dentro de movimentos libertarios existem preconceitos externos e internos. Gays se dividem em guetos e se discriminam entre si. Uma coisa que já vi e que me incomodava eram feministas que agiam como machistas… colocando o homem tb em situaçao de lixo, meio como que uma vingança. Enfim… a evolução é lenta. Uma hora esperamos encontrar o equilibrio.

    • Deborah Sá said,

      Tem mulher que critica homem no sentido de sistema masculino. Eu faço isso direto, por isso é bom analisar bem, porque o que mais existe é gente vendo feminista como “odiadoras” de homens.
      Sou sincera, homem do modo que concebem hoje em modelo ideal eu quero distância.

  3. O problema do straight edge é que as pessoas aderem a esse estilo de vida sem questionamentos prévios, muitos ali se acham melhores que outros e nem sabem oque cantam nas músicas.
    Na minha concepção é muito contraditório o indivíduo promover liberdade individual, libertação animal e se colocar de maneira conservadora em sexista em relação a outros temas, como a igualdade de generos, o respeito a opção sexual e política.
    Minha avaliação é que muitos ali, se identificam com a musica como forma e a estética grupal aderem um estilo de vida que nao condiz com sua postura e valores morais seguindo apenas tendências e modismos estabelecidos, nao vejo uma reflexão prévia de valores que deveria acontecer para que a escolha seja legítimada. Muitos ali, quase todos acham que vão mudar o mundo vendo show.
    Eu sou straight edge embora evite me rotular dessa maneira, acredito em um straight edge livre de preconceitos, mas eu sei que infelizmente não é assim que acontece no atual momento.
    Parabens Deba, essa discussão deveria ser aberta. :)

    • Deborah Sá said,

      Obrigada Michel :)

      Bom te ver por aqui :D
      =***

  4. _Vegan said,

    Puxa, você tirou as palavras da minha boca.
    Uma vez, uns clientes [machinhos em bando…] do Vegacy riram das minhas pernas [não me depilo].

    Adoro o restaurante [mesmo], mas também já me senti humilhada ali por causa disso.

    • Deborah Sá said,

      Sim, ao que tudo indica estas coisas acontecem com muitas garotas =/

  5. Frederico Bandolero said,

    Um pouco sobre o passado do straight-edge no Brasil e sua relação com o feminismo: http://video.google.com/videoplay?docid=-66775860848322553#

    + algumas entrevistas gravadas para o futuro documentário sobre “hardcore” brasileiro dos anos 90:

    (sxe x punk no brasil) http://www.youtube.com/watch?v=PJgm-cZxcgM
    (sxe x punk no brasil) http://www.youtube.com/watch?v=KDBSVWO82f0
    (sxe x verdurada) http://www.youtube.com/watch?v=k5SIKUuRnTI
    (sxe x feminismo) http://www.youtube.com/watch?v=kGMj9pSoGwQ

    + algumas músicas que entram no assunto:

    ” (…) You call yourself pro-life? / I call you pro murder / Your small minded thinking is not a solution / Anti choice is anti-solution / Anti choice is anti-human / Anti-choice is anti-woman ” (CHOKEHOLD – Free to Decide)
    http://www.lyricsmania.com/not_a_solution_lyrics_chokehold.html

    ” Man you’ve gotta problem, who made you fuckin’ king / A macho pig with nothing in your head / No girls around you, their place is not at gigs / Don’t want ‘em on the dance floor ‘cos they’re weak / A woman’s place, the kitchen, on her back / It’s time to change that attitude, and quick.

    Showing us your phobias, you’re scared to see ‘em think / You’d rather dress ‘em up in pretty lace / All nice and colored pink / You feel so fucking threatened / When they stand out in front / A stupid, passive piece of meat is all you really want / But it’s: Not just boys’ fun (…) ” (7 SECONDS – Not just boys’ fun)
    http://www.lyricstime.com/7-seconds-not-just-boys-fun-lyrics.html

    ” Provar sua masculinidade com um pouco de brutalidade / Fazê-la sofrer fazê-la chorar seus punhos te dão este poder / O orgulho machista que te possui quando faltam palavras / Esse ódio sem justificativa me enoja a cada segundo / Temos que parar o abuso – vamos denunciar / Somos fortes o bastante – hora de revidar / Aquela que voce chama de puta um dia vai acordar desse inferno / E seu culhão nao será mais tao macho / Na lâmina da faca ” (I SHOT CYRUS – Na Lâmina da Faca)

    ” (…) Que caem sobre as cabeças médio-pensantes em uma sociedade totalmente dominada pela hierarquia patriarcal. (…) ” (CONFRONTO – Alicerce)
    http://vagalume.uol.com.br/confronto/alicerce.html

    + duas músicas do Morning Again:
    http://www.lyricsmania.com/free_to_decide_lyrics_morning_again.html
    http://www.lyricsmania.com/dictation_of_beauty_lyrics_morning_again.html

    + outra banda que talvez entre no assunto: http://vagalume.uol.com.br/triste-fim-de-rosilene/

  6. maira said,

    DEBORAAAAAAAAH. vc disse o que eu SEMPRE achei da cena sxe. aqui em brasilia eh igualzinho! todos se acham muito especiais por serem parte de um meio “libertario” e “sem preconceitos” e etc…pregam “amizade”, “uniao” e o caramba….mas na pratica….eh so briga….eh um falando mal do outro….eh um chamando mulher de puta e o outro dizendo que “comeu aquela vagabunda”…..enfim, sei que todos os meios tem suas hipocrisias….mas no meio sxe as contradicoes sao muito grandes! eu sempre me deprimia muito vendo as menininhas no show segurando as mochilas dos bofes, enquanto eles tavam la nas rodinhas se divertindo…sabe, pode parecer besteira, mas eh bem emblematico, sabe? eh uma explosao desnecessaria de testosterona, eh uma valorizacao do masculino sem antes repensar e discutir a masculinidade….argh

    :*

    • Deborah Sá said,

      Obrigada Maira,

      Interessante notar que não é apenas em SP que isto ocorre…

      Beijos.

  7. Débora Mitrano said,

    Ual, tem aspectos nesse texto que são muito verdadeiros.
    Sintetizou muita coisa que eu já vi e continuo vendo.
    Em muitos rolés vejo minas retraídas, enquanto os garotos se divertem dando stage dive, e curtindo o som.
    E cara, eu já fui uma delas.
    E sei bem o quanto isso não é nada maneiro.

    Já me permaneci também muitas vezes calada, sem expressar o que eu penso sobre o veganismo, em colocar pra fora o que eu penso.
    Mostrar que as minas também podem se manifestar na militância.
    E sinceramente Débora, a cada dia que passa venho tentando me desconstruir, mudando esses problemas que são tão cultivados dentro do meio Hardcore . . .
    To a mil por hora sabe, quero fazer zine, quero me divertir nos shows, quero cantar junto o mais alto que eu puder e etc.
    Quero me LIBERTAR dessa prisão que nos propias nos prendemos, presas a dogmas de um meio social.

    Muitas coisas ditas aqui sobre o Sxe eu concordo, mas tenho convicção que existem pessoas que se diferem . . . não vamos generalizar também.
    Nem todo mundo é escroto, arrogante e etc.
    Tem pessoas que desejam e a cada dia tentam se desvincular desse formato.
    Depois que essas coisas ficaram evidentes pra mim, tenho abolido muitas atitudes e formas de pensar.

    O problema é que falta união, todos na verdade deveriamos nos unir.
    Mas união deve ser algo natural, não tem como forçar.
    Então, toda vez que tenho alguma oportunidade de trocar ideía com alguma menina[o] eu troco.
    É importante haver esse intercâmbio de ideías, e matar esse individualismo, onde muitos se fecham em grupinhos.
    Muitas meninas reclamam que os meninos estão no comando, fazendo shows, criando bandas.
    Sendo que na prática, elas não agitam nada, não colocam a mão na massa pra fazer também.
    E não fazem amizades com outras meninas, sempre rola aquilo de querer ser a única mina no rolé, quando chega alguma fica fazendo cara feia [ já passei por isso] ou bláblá.
    Quando isso acabar, muita coisa pode mudar.

    Só desconstruindo tudo isso que tu disse, que a mudança vai ser feita.
    Basta cada um entender isso.

    Foi válido ler o texto.
    Abraços.

    • Deborah Sá said,

      Bem vinda Débora :)

      O que falei sobre SxE é baseado na minha observação e nas queixas que ouço das garotas. Fico feliz que faz sua voz ser levada em conta, isto é muito difícil quando somos condicionadas ao silêncio.

      Até a próxima ;)

  8. bad humour said,

    estreitege e esses heteros veganos me deprimem, me dá um pânico toda vez q me vejo perto de um deles (tipo: o que eu estou fazendo aqui?)… é insuportável o nível de mediocridade que essa gente cultua, aqueles termos deles, ‘pride’, blabla, eu me pergunto como pode alguém conseguir ser TÃO inautêntico?

    que contra-producente meu, pras nossas lutas ter esse tipo de ‘aliados’…

    preguiça total de nascer nessa época.

    • Deborah Sá said,

      Te entendo Jana :P

  9. Juh Sales said,

    Achei o post por acaso!
    Mas muito interessante.
    Não sou sXe, mas apoio a ideologia.
    Sou vegan e adoro comer nos mesmos lugares que você citou, nunca tive nenhum desses problemas.

    Não sou feminista, acredito que a luta por direitos iguais é totalmente valida, não só para mulheres como para os negros que ainda sofrem muito com as diferenças.
    Acredito também que de uma certa forma o feminismo é um tipo de preconceito dependendo da pessoa que utiliza dele.

    Tenho amigos sXe’s e nunca vi nada parecido com isso, mas hoje acredito que o tanto o movimento punk/hard core, o Straight Edge e o anarquismo estão um pouco na moda, muita gente aderindo os movimentos só porque acha legal ou porque o amigo é … sabe?

    Ai acontece esse tipo de problema, pessoas sem base, falando asneiras e denegrindo um movimento de anos. Em minutos.

    É um problema o modismo, como pode ser algo bom se as pessoas que só estão “curtindo” o momento começarem a querer conhecer os significados dos mesmo.

    • Deborah Sá said,

      Seja bem vinda Juh,

      O feminismo não é um preconceito, é um movimento de fortalecimento feminino. Há feministas onívoras, católicas, moradoras da periferia… Assim como há vegetarianos em muitos seguimentos, ao contrário do que os estereótipos pregam muitas feministas namoram homens. O feminismo (assim como o vegetarianismo) vai contra valores patriarcais, que tratam conceitos “femininos”, “negros” e “não-humanos” como inferiores.

      Um abraço.

      • Juh Sales said,

        Sim eu entendo que o movimento feminista é para fortalecimento.. mas tem muitas mulheres no movimento.. que acabam sendo um pouco preconceituosas, se sentindo melhores ou mais capazes que os homens ….
        Sou a favor dos direitos iguais… claro!!!

  10. THIAGO said,

    Na minha opnião, generalisar é ser tão ignorante quanto qualquer uma dessas pessoas que vc citou, filho da puta é filho da puta e não importa a “ideologia” ou oque ele seguir, faça sua parte e esqueça o outro, não é “fofocando” em um blog que isso vai mudar, do mesmo modo que a minha resposta não vai mudar nada mais estava passando e resolvi comentar.

    • Deborah Sá said,

      É só uma opinião cara, se eu fosse “fechada” não teria espaço para comentários, ok?

  11. weslley said,

    Esse seu texto ta meio femista, e generalizando o sxe totalmente, primeito q é uma opção indivual, existem casos e casos, falar q os sxe são maxista e esquecer o resto do mundo é ipocrisia, pega um exemplo digados da maioria dos pais, eles largão os filhos homens por ai, e pra eles tanto faz se o filho come 200 mulheres, agora se vc filha dele der pra 200 homens com certeza vai ser taxada de vadia. O mundo esta mudando, mais temos traços do q ocorreu. A unica coisa no sxe q eu num curto é pq eu bebo e odeio discurcinhos sobre o quanto é nocivo isso e aquilo, ou o cara deixa de trocar ideia com o outro pq ele bebe, coisas do genero. Ja dei role com toda especie de gente em todo lugar e posso afirmar q muitos homens são extremamente machistas, de todas as tribos, ou generos, sou punk anarquista e defendo direitos iguais sem duvida, mais perguntar-se a si mesma como vc trataria sua filha caso vc tenha uma algum dia uma, ja responde muitas das duvidas nas quais vc possa ter sobre esse assunto.
    apoio o feminismo, mais abomino o femismo. Direitos e quais mais com postura nas criticas, indivudualiza las não trara retorno algum a ideia de liberdade incondicional.

  12. Elias said,

    Não tinha visto esse post ainda.

    Adorei!! Muito bom mesmo!

    • Deborah Sá said,

      <3

  13. Parabéns Deborah, gostei do teu blog e das tuas críticas também, vai lá minha opinião…

    Tenho uma grande concordancia em tudo com você, aqui no DF foi assim por mutio tempo e ainda tem caras assim…
    Concordo no fato de existirem muitos caras (e até minas) machistas, racistas e etc… Mas não acho que seja por serem sxe, talvez isso se deva pela cultura punk/hardcore. Também concordo com o fato dos estereótipos das minas pin ups e os caras tatuadões, mas também acho que está mais inclinado ao punk/hardcore do que ao sxe… Mas não querendo tirar o meu da reta já que o sxe flui do punk/hardcore eu assumo que existem babacas nessa vertente sim, esse acontecido aí dos caras zuando do estupro é lamentável. E me usando como exemplo que sou straight edge, cristão, negro, tenho dreadlock e me crucifiquem mas não sou vegan. Eu fujo de todos os padrões que se tem para um sxe e ainda sim estou aqui no meio dos tatuadões e das pin ups.

    Obs.: O fato de a pessoa (seja homem, seja mulher) criticar a conduta de uma mulher que fica com varios caras não a torna machista, a não ser em caso de hipocrisia, onde esse critico fica com várias mulheres (ou homens… deu pra entender né…).

    • Deborah Sá said,

      Oi João, obrigada. Não acredito que essas pessoas são racistas ou machistas porque são SxE, minha intenção foi denunciar o forte machismo e padrões de gênero super definidos dentro da “cena”. Apenas isso. Concordo que as pessoas não existem em pacotes, não é porque se é SxE que alguém obrigatoriamente será vegan e etc.

      No meu entendimento quem critica a conduta de uma mulher que fica com vários caras é sim, machista. A pessoa pode não concordar em ficar com várias pessoas e se ela pensa assim, basta não agir assim, não precisa policiar os outros. Cada um faz com o próprio corpo o que bem entender, desde que seja consentido quando houver envolvimento de terceiros. Fazer sexo com centenas ou com ninguém não é sinônimo de caráter ou a falta dele.

      Até!

  14. joao said,

    Penso que qualquer movimento, com esse SxE que tem muitas pessoas que não possui um pingo de humildade, modistas ja é
    por si anti união. Seja livre de tribos, seja uma pessoa educada e tente se melhorar a cada dia e pronto. Muito querem se auto afirmarem, nem se misturam com a galera que gosta de tomar um cerveja e tal.

  15. Edwin Jones said,

    Sou sxe há 7 anos, e feminista. Existem pessoas e pessoas nas cenas, seja ela qual for, radicalismo existe em qualquer lugar e não é exclusividade do sxe, ta certo que tem muito sxe cuzão, assim como tem muita gente assim no mundo. Não partilho de pensamentos tipo, “sou melhor que você porque não uso drogas.”, a maioria das pessoas que pensam assim são bem mais podres por dentro, utilizando-se de máscaras pra camuflar sua real natureza e estão ali não pelo movimento punk em si, mas pra fazer parte de um grupo urbano. Ta certo que muitas pessoas entram nos grupos assim, mas elas mudam, se conscientizam do que é errado (humilhar os outros é errado, menosprezar também…), mas outras simplesmente não dão a minima sobre isso. É aquele velho ditado: “Não importa o quanto você se importa sobre isso, algumas pessoas simplesmente não se importam.”
    E vai continuar assim, até existir uma reeducação da cena, em pessoas que possuem este tipo de pensamento primitivo.

  16. Miguel Cruz said,

    Parabéns pela postagem, eu entende o que quis dizer, eu sou Straight Edge e realmente acontece muito disso, de preconceitos e coisas do tipo no meio.
    Continue com seus ótimos textos.
    Grande abraço. XXX

  17. Kami said,

    Olá, adorei a postagem!
    Vejo muito disso onde moro(sou gaúcha), e acredito que tudo ocorra por modismo, muitas pessoas apenas adentram um estilo e não à filosofia em si. Sou uma adolescente negra, apoio o movimento feminista e sou veg, já passei por momentos constrangedores perto de pessoas assim. Tenho amigos SxE, punk’s, mas sempre encontro uma ovelha fora do rebanho que insiste em sair com “piadinhas” sem graça nenhuma.
    Vejo coisas no facebook que me deixam apavorada, e acredito que o machismo, o preconceito se “popularizem” a partir de meios como este, levando pessoas sem conhecimento necessário sobre movimentos a segui-los. Ignorância, falta de conhecimento, falta de reflexão, mente fechada, tudo isso leva pessoas como os rapazes citados no seu texto, a virem a ter atitudes grosseiras.
    Cabe a eles reconhecer a asneira dita/feita, e melhorar a forma de pensar, fazer jus ao que dizem ser. E que não fiquemos caladas, a boca pra proferir e o cérebro pra pensar não existem em vão, façamos nós jus ao que somos. Infelizmente, sei que encontraremos muitos “posers” por aí, ainda.
    Me tornei leitora garantida do seu blog, abraços!

    • Deborah Sá said,

      Obrigada e seja bem vinda, Kami!


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: