2 outubro, 2009

Considerações sobre o Estupro

Posted in Só falam nisso tagged , às 4:27 pm por Deborah Sá


O POVO DO ESTADO DA CALIFÓRNIA CONTRA ROMAN RAYMOND POLANSKI. QUINTA-FEIRA, 24 DE MARÇO DE 1977.

P. Samantha, quantos anos você tem?
R. 13.
P. Você mora com sua mãe e irmã em Woodland Hills?
R. É.
P. Por favor responda sim ou não.
R. Sim.
P. Em 13 de fevereiro de 1977, você encontrou Roman Polanski na residência dele?
R. Sim.
P. O sr. Polanski indicou que queria fotografá-la?
R. Sim. Ele me mostrou a Vogue que ele tinha feito e me perguntou se eu queria ser fotografada.
P. Você já tinha o encontrado na residência dele antes?
R. Sim.

P. O que você fez?
R. Eu tirei a minha camisa.
P. Você falou para a sua mãe que vocês tiraram fotografias de topless?
R. Não.

P. Na casa de Jack Nicholson, em algum momento, o sr. Polanski ofereceu bebidas?
R. Sim, eu disse que estava com sede. Fomos para a cozinha e abrimos a geladeira, tinha suco, cocas, vinho. Ele pegou uma garrafa de champanhe. E perguntou se deveria abrir. Eu disse que tudo bem.
P. O que aconteceu depois que ele abriu?
R. Ele encheu as taças.
P. Você bebeu?
R. Sim.
P. Quanto?
R. Não tenho ideia.
P. O sr. Polanski tirou fotos?
R. Sim.
P. Quando você estava com a taça na mão?
R. Não.

P. Você tirou a sua camisa ou foi o sr. Polanski?
R. Eu tirei.
P. Por que ele requisitou ou foi por vontade própria?
R. Porque ele pediu.
P. Você posou?
R. Sim.
P. Ele dirigiu as suas poses?
R. Sim.
P. O que aconteceu depois?
R. Ele foi me mostrar a jacuzzi do Jack Nicholson.
P. O que aconteceu depois?
R. Ele disse que queria tirar umas fotos minhas dentro.

P. A que horas você tirou a sua roupa?
R. Eu tirei pouco antes de entrar na jacuzzi.
P. Por que você tirou?
R. Porque eu não queria entrar na jacuzzi com ela.

P. O que aconteceu quando você entrou na jacuzzi?
R. Ele tirou fotos.
P. Em algum momento ele parou de tirar fotos?
R. Sim.
P. O que ele fez depois?
R. Disse que iria entrar nela.
P. Ele estava vestindo alguma coisa?
R. Não.
P. O que ele fez quando entrou?
R. Ele ficou na parte mais funda.
P. E você?
R. Fui para o outro lado.
P. O que aconteceu depois?
R. Ele ficou me chamando. Eu dizia, não, quero sair. Ele dizia, vem cá só um segundo. Então eu fui. Então ele perguntou se eu não me sentia melhor. Então eu saí.
P. O que você fez depois?
R. Me enrolei numa toalha.

P. O que você fez quando ele disse para irem para o quarto?
R. Eu estava pensando que era melhor eu ir embora, porque eu estava com medo. Então, fui lá e me sentei no colchão.
P. Do que você tinha medo?
R. Dele.
P. Mesmo assim você foi lá e se sentou no colchão.
R. Sim.

P. O que aconteceu quando você se sentou?
R. Ele se sentou atrás de mim perguntou se estava tudo bem.
P. O que você respondeu?
R. Que não.
P. E o que ele disse?
R. Que eu ia ficar melhor. Mas eu disse que queria ir embora. Então ele me abraçou e me beijou. Eu dizia, não, fique longe. Mas eu tinha medo dele, porque só estávamos nós dois lá.
P. O que ele fez depois?
R. Ele colocou a boca na minha vagina. Ficou lambendo, e eu estava prestes a chorar, eu estava tipo, “não, pare”, mas eu estava com medo.
P. E o que ele dizia?
R. Não me lembro, ele dizia coisas, mas eu não escutava.

P. Quanto tempo ele ficou com a boca na sua vagina?
R. Poucos minutos.
P. O que aconteceu depois?
R. Ele começou a me penetrar.
P. O que você quer dizer com “penetrar”?
R. Ele colocou o seu pênis na minha vagina.
P. O que você disse para ele?
R. Eu apenas murmurava “não, pare”, mas eu não estava lutando contra, porque não tinha para aonde ir.
P. O que ele disse?
R. Ele não me respondeu quando eu disse “não.” Depois, ele perguntou se eu estava fértil. Eu disse que sim. Ele perguntou se eu usava pílulas. Eu disse que não. Então ele me perguntou se queria que ele penetrasse por trás. Eu disse não.
P. Você já tinha se relacionado com outros homens, antes.
R. Sim, duas vezes. Então ele levantou as minhas pernas bem alto e penetrou no meu ânus.
P. O que você quer dizer com “penetrou no meu ânus”?
R. Ele colocou o seu pênis no meu…
P.Você disse alguma coisa pra ele?
R. Não.
P. Você resistiu?
R. Um pouco. Mas não muito.
P. Por quê?
R. Eu estava com medo. Então ele parou.
P. Você acha que ele atingiu o clímax?
R. Sim.
P. Quando você diz isso, é porque acredita que ele chegou ao clímax no seu ânus?
R. Sim. Seu sêmen saiu.
P. Você viu ou sentiu o sêmen?
R. Senti.

Fonte: http://blog.estadao.com.br/blog/marcelorubenspaiva/?title=o_povo_da_california_contra_polanski&more=1&c=1&tb=1&pb=1

Castração

Muito se diz sobre a necessidade de matar um estuprador ou castrá-lo quimicamente.Um estupro pode ocorrer de várias formas no caso acima (segundo a nova legislação), sexo oral, penetração vaginal e por fim sexo anal. Deveríamos cortar a língua fora, os dedos para que não masturbasse, arrancar os olhos para que não visse mulheres com lascívia? Deveríamos tal qual em Laranja Mecânica incutir ânsia de vômito ao olhar uma mulher?

Se mostrar meu dedo a pessoa entenderá a mensagem, se mostrar o símbolo de buceta, o que pensarão? <>
Castrar um homem é reforçar o poder do pau que por si só é algo inofensivo: Uma coisinha mole de poucos centímetros que mesmo dura é bem sensível e incapaz de machucar alguém.

“É provável que as mulheres possam ser treinadas com facilidade para ver os homens em primeiro lugar como objetos sexuais. Se as meninas nunca passassem pela violência sexual, se a única abertura que uma menina tivesse para a sexualidade masculina fosse uma série de imagens baratas, bem iluminadas e fáceis de se encontrar de rapazes pouco mais velhos do que ela, no final da adolescência, dando um sorriso encorajador e exibindo simpáticos pênis eretos da cor das rosas ou de moca, ela bem poderia olhar essas imagens, masturbar-se com elas e, quando adulta, “precisar” da pornografia da beleza baseada nos corpos de homens. E se um desses pênis iniciadores fosse apresentado para a menina como tendo uma ereção pneumática, sem inclinação nem para a direita nem para a esquerda, como tendo o gosto de canela ou de frutinhas do mato, sem a presença de pêlos ocasionais e com uma disponibilidade constante; se eles fossem apresentados tendo ao lado suas medidas de comprimento e circunferência em centímetros; se eles parecessem estar à disposição dela sem nenhuma personalidade problemática vinculada a eles; se o prazer dela parecesse ser a única razão para eles existirem; nesse caso, um rapaz de verdade provavelmente se aproximaria da cama de uma jovem com, no mínimo, muito medo de fracassar.”

O Mito da Beleza – Páginas 203 e 204

Virar “mulherzinha”

A segunda “punição” desejada para maioria das pessoas é a “surra de pica”, “virar mulherzinha na cadeia”, mais uma vez o pau é atribuído de valor corretivo e coercivo. O cu masculino por sua vez, ganha o duro fardo de ser sua honra, “seu selo hétero de qualidade”.

A Culpa é da Vítima

Por não ser virgem quando o estupro ocorreu, muitos acreditam que Samantha era suficientemente “maliciosa” para não tirar foto nua na companhia de um homem mais velho, não levando em consideração que algumas profissões exigem nudez, se estamos com uma autoridade no assunto, confiamos nela. Vamos supor que você adora um pintor muito famoso que te chama para posar, lisonjeada você aceita com certa timidez, diante de um modelo de autoridade que você respeita. Vocês bebem, as coisas tomam um rumo inesperado e ele te estupra. A culpa é sua? Qualquer mulher e criança estariam sujeitas a esta situação, seja um padre que vai ensinar piano, um pastor que convida para conversar ou um avô que te chama para deitar-se com ele em um dia comum.

Qual a idade ideal para começar a vida sexual?

Cabe ao indivíduo decidir sobre isso, conheço moças que começaram a vida sexual aos 12 enquanto eu comecei aos 17. Com quem elas devem fazer sexo? Com quem bem entenderem.
Independentemente da idade sabe-se como e com quem fazer sexo. Usar roupas “indecentes” e trepar no primeiro encontro não é aval pra ser estuprada.

A Culpa é das mães

Não dá pra culpar os gays pela homofobia. Nem as negras pelo racismo.
Há várias ramificações dos problemas da sociedade, não dá pra culpar um único foco, muito menos o alvo.

Pornografia do Estupro

O que você faria se ao abrir a porta do quarto seu filho estivesse batendo punheta para um vídeo de estupro? E para pornografia infantil? E se fosse “só” um Hentai? E especificamente Hentais com bebês (Toddlercon)?

Por que é considerado asqueroso sexo forçado com crianças e bebês enquanto o tesão em cenas de estupro de mulheres adultas é “compreensível”? Se um homem branco diz ter desejo erótico de bater com um chicote em um negro ele será acusado (com toda razão) de racismo, se fossem produzidos vídeos em larga escala onde negros apanham, são humilhados dizendo “não” sorrindo e “no fundo gostando” não seria repulsivo?
Normatizar este tesão é assumir que o estupro faz parte da natureza masculina.

Analisando o contexto

Discordo totalmente do posicionamento da Lola

Polanski tem de ser preso,  não pagou pelo crime como devia fugindo do país na época. Alegou que não sabia que nos EUA era ilegal fazer sexo com menores. Ele não fez sexo, estuprou.

Dane-se que psicólogos dizem que ele merece passe livre para a sociedade, que ninguém mais o acusou. Um homem que estupra somente uma mulher merece ser solto? Um homem pobre teria as mesmas regalias do renomado diretor?
Sei que o sistema carcerário não “reabilita”, põe de “castigo”, o Estado tem de buscar outras maneiras de auxílio ás pessoas, isso não é desculpa para liberar Polanski.

18 Comentários

  1. B said,

    o problema tb é q o crime já deve ter prescrevido.
    já tinha ouvido falar sobre isso, mas sempre achei q havia sido como ele disse e não um estupro.
    um cara q passou por td q ele passou deveria repudiar esse tipo de atitude.
    tb, há de se dizer q o nicholson foi conivente…

    • Deborah Sá said,

      Beatriz, o que me irrita muito é as pessoas defenderem o cara só porque ele é um diretor de cinema, estas mesmas pessoas defenderiam um sujeito anônimo que estupra a namorada moça-de-família???

  2. Blog Mallmal said,

    Annnn… Deixa eu ver se entendi seu raciocínio.

    Ele “estuprou” por causa do depoimento de uma adolescente debilóide?
    Quem te garante que não estava sendo orientada por pais ou outrem?
    Que tipo de pais “liberam” os filhos para “festinhas” com Polanski?
    Se não foi “liberada” pelos pais e foi por conta própria, o que ela esperava lá?
    Polanski (um diretor cult) era um ídolo para uma pirralha?

    Entenda que, com meus questionamentos, quero apenas ser o advogado do diabo. Sou totalmente contra pedofilia (desde que definida nos moldes de coação).
    A questão, que embanana paradigmas, moral e bons costumes é:
    Como definí-la?

    Uma adolescente de 15 anos que já praticou gang bang com 4 coleguinhas de turma e vai para a cama com o atual namorado de 22 anos está sendo estuprada?
    Uma mulher de 20 e muitos, que vai para a cama consensualmente e no dia seguinte alega estupro, foi estuprada? (vide Mike Tyson)

    O assunto é complexo e é reducionismo puro falar em castração ou sodomização carcerária just for the kicks of it.

    Na idade média, essa menina já seria casada e estaria com um filho pendurado no peito. Era estupro então?

    Sinceramente não consigo formar opinião sobre a necessidade da prisão do Polanski.

    Acho que, no mínimo, faltam evidências.

    Testemunhos infantis são tão bons quanto aquele caso da escolinha que foi fechada (acho que em MG, alguns anos atrás) por denúncias de abusos. Alguns anos depois, todos foram inocentados. Suas vidas foram para o saco.

    Outra coisa para pensar, não quero emitir opinião:

    Por que dezoito anos? Iniciamos a puberdade aos 10-11 anos no caso dos meninos e 8-10 no caso das meninas frequentemente. Aos 15, a maioria já encerrou tal processo. O resto é envelhecimento.
    O que dizer de casos de puberdade tardia e precoce?

    Mais uma coisa:

    Temos fatores externos visíveis para avaliar o grau de maturação sexual. Os temos para a maturação mental? Quais seriam?

    Consigo imaginar facilmente uma menina de 17 anos, madura mentalmente e imatura sexualmente (sem menstruação e seios, até!) e, ao mesmo tempo, posso imaginar uma menina de 13 anos, madura sexualmente e imatura mentalmente. Quem você “liberaria” para o sexo?

    Escrevi demais. Só que me irrita quem quer transformar esse tipo de assunto em preto e branco.

    Abraços. O post foi ótimo. Faz pensar.

    • Deborah Sá said,

      Mallmal,

      Ninguém merece ser estuprado, mesmo se tiver deficiencia mental. Não sei que parte disso é difícil entender. Ninguém nunca duvida de uma autoridade e estupro é relação de poder, por isso são os padres que estupram os fiéis, os pais que molestam os filhos. Quem espera esse tipo de violência de quem deveria cuidar, ou um ídolo?

      Seu caso hipotético do Gang Bang supõe que uma mulher não pode ser estuprada por um namorado, não sei se sabe mas a maioria dos casos são os esposos/namorados/parentes que estupram, não esses anônimos que se escondem em becos escuros. E se uma mulher vai pra cama com um cara famoso (ou não) e no outro dia diz que foi estuprada acreditarei nela. É um absurdo você culpar uma vítima pelo estupro.

      Cada sexualidade tem seu tempo e deve ser respeitada.

      Lhe dedico este texto:

      Muito tem sido dito a respeito da prevenção de estupros. mulheres devem aprender auto-defesa. mulheres devem se trancar em suas casas após escurecer. mulheres não devem ter cabelos longos e não devem vestir saias curtas. mulheres não devem deixar drinks desacompanhados. porra, mulheres não devem ousar ficar bêbadas de maneira alguma.

      ao invés dessa besteira, que tal:

      se uma mulher está bêbada, não a estupre.
      se uma mulher está andando sozinha à noite, não a estupre.
      se uma mulher está dopada e inconsciente, não a estupre.
      se uma mulher está vestindo uma saia curta, não a estupre.
      se uma mulher está se exercitando num parque, às 5h da manhã, não a estupre.
      se uma mulher se parece com sua ex, por quem você ainda tem uma queda, não a estupre.
      se uma mulher está dormindo na cama dela, não a estupre.
      se uma mulher está dormindo na sua cama, não a estupre.
      se uma mulher está lavando a roupa, não a estupre.
      se uma mulher está em coma, não a estupre.
      se uma mulher muda de opinião no meio ou prestes a começar uma determinada atividade, não a estupre.
      se uma mulher recusou repetidamente certa atividade, não a estupre.
      se uma mulher não é ainda uma mulher, mas uma criança, não a estupre.
      se sua namorada ou esposa não está no clima, não a estupre.
      se sua enteada está assistindo tv, não a estupre.
      se você invadir uma casa e encontrar uma mulher lá, não a estupre.
      se seu amigo acha que tudo bem estuprar alguém, diga a ele que não e que ele não é seu amigo.
      se seu “amigo” te conta que estuprou uma pessoa, informe a polícia.
      se seu colega de república ou qualquer outro cara numa festa te conta que há uma mulher inconsciente no andar de cima e que agora é a sua vez, não a estupre, chame a polícia e o denuncie como estuprador.
      diga a seus filhos, enteados, sobrinhos, netos e filhos de amigos que não está tudo bem estuprar alguém.

      não apenas diga a suas amigas como ficarem seguras e evitarem estupros.
      não sugira que ela poderia ter evitado se tivesse/não tivesse feito x, y ou z.
      não sugira que foi culpa dela de forma alguma.
      não deixe que o silêncio indique aceitação quando alguém diz que “se deu bem” com a menina bêbada.
      não perpetue uma cultura que diz que você não tem controle ou responsabilidade sobre seus atos.

      você também pode ajudar a si mesmo. estupro não tem nada a ver com sexo, tem a ver com controle e poder. e que tipo de poder vem de tirar vantagem dos outros?
      nenhum tipo que qualquer pessoa deve desejar.

  3. Luís said,

    Pra mim o Polanski tinha q pagar, de alguma forma, ainda tá em tempo. Qualquer outro no lugar dele tinha sido preso. Qto a menina, hj uma mulher feita, ela parece ter superado td isso. Na verdade o que a machuca de verdade ainda hoje nem é tanto a lembrança do ocorrido, mas sim a festa q os jornais fazem requentando essa história terrível, e pior: a familia dela acaba sendo afetada tb.

    • Deborah Sá said,

      É mesmo muito triste =/

    • Deborah said,

      Fantástico, Luis, você não me deixa ficar totalmente desilulida do sexo masculino. Sua mulher/namorada/cacho/etc é uma mulher de sorte. Tomara que ela sempre se lembre disso..

  4. Lisa Wang said,

    Li na revista Veja hoje que Polanski embebedou, drogou e sodomizou a menina. Não importa se ela teve 2 relacionamentos antes. Os fatos são

    Ele tinha 44 e ela 13, o que o configura como pedófilo.

    Ela não queria o sexo, mas ele insistiu. Pela lei isso é estupro.

    Ela era uma criança, praticamente. Ele a atraiu para tirar fotos profissionais, não para sexo grátis. É normal que ela achasse que ele não tentaria nada além das fotos. Ele deliberadamente mexeu com a vaidade da moça para conseguir o que queria: o sexo dela. Isso é crime.

    Esse homem deveria estar em uma cadeia, por crime inafiançável, para servir de exemplo aos inúmeros homens adultos que usam-se dos mesmos meios predatórios para ter sexo grátis com crianças!

    Não vejo nenhuma mãe de verdade querendo que sua filha seja alvo desses seres imorais! Cadê a lei e a polícia americanas para proteger as meninas?

    • Deborah Sá said,

      É por isso que reclamo, adoram botar a culpa nas mães. Até naquele caso extremo do pai que prendeu a filha no porão, as pessoas culpam a mãe por omissão :O

  5. m. said,

    mallmal, disse não é estupro, acabou. nao tem “se”… se foi pra cama antes com alguem, se usou roupa provocante. etc.

    não significa não! que saco, quando vão entender?

  6. Raiza said,

    Eu tinha escrito um comentário gigante nesse post outro dia,mas não sei por que não foi.Enfim,repito-me:
    Fiquei feliz ao ver esse post por que vi que pelo menos uma pessoa concorda comigo.Foi estupro sim.Eu me posicionei contra a campanha Free Polanki no Twitter e uma garota ficou indignada,Falou que tinha sido “consentido”.Eu penso que mesmo que a menina tivesse dito “sim” teria sido condenável.Por que é evidente que nesse contexto,o “sim” seria meio forçado.Como você bem mostrou no texto.
    Acho também que a desculpa do “contexto” da Lola não cola.Estupro é estupro em qualquer hora e em qualquer lugar.Não importa se é mais ou menos tolerado.O crime não muda.

  7. Gabi said,

    nada a ver mas quando vc mencionou Toddlercon eu realmente me assustei,nao sabia que existia isso.Sou super fã de animes e mangás,mas os japoneses (homens,se uma forma em geral né…)me ASSUSTAM kra!!!!Que coisa doentia!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    • Deborah Sá said,

      Sim, existe. Sou curiosa sobre o aspecto comportamental/sexual, me surpreendo com as práticas mais “estranhas”. Ri muito quando descobri que algumas pessoas se excitam com bolas infláveis, aquelas redondas e bem grandes (do estilo Kiko do Chaves) e aqueles bichinhos que colocam na piscina em formato de jacaré, baleia, golfinho…

  8. Dano said,

    /\
    ||
    [2]
    Eu ia perguntar isso agora, existe mesmo hentai com bebê??! Meldels!! O.o

    —————————–

    Ele “estuprou” por causa do depoimento de uma adolescente debilóide?
    Naaaaada misógino e etarista você, hein? ¬¬

    • Deborah Sá said,

      Poizé…

  9. Patricia said,

    Seu blog é muito foda, descobri ele hoje.
    Entrei no link da onde tirou o depoimento da então menina. Não acredito no tanto de comentário otário que li lá. É como você disse, sempre dão um jeito de culpar a menina, culpar a mãe (e não os pais), e mais esse monte de merda. Parabéns por pensar. Sua nova leitora, Pati.

    • Deborah Sá said,

      Seja bem vinda Patrícia :)

  10. Camila said,

    Excelente este post!!
    Muito bom mesmo!


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: