8 julho, 2009

Você sem Deus não é nada

Posted in Crenças tagged , , às 5:28 pm por Deborah Sá

E se não acreditar mais nele, ele deixa de existir.

Nada acontece do dia pra noite. As idéias e as concepções de realidade se formam de maneira contínua e por uma série de acontecimentos com valores distintos para as pessoas.

Antes de descrever os motivos que me levaram ao ateísmo, é importante levar em consideração a minha história de vida relacionada à instituição religiosa que pertenci por muitos anos. A descrição mais detalhada está no Dossiê CCB parte I II e III.

Qual é o ateu que nunca questionou: Deus existe mesmo?
E qual cristão nunca pensou: É mesmo (só) imaginação?

Lembro de pedir auxílio em alguns momentos de minha infância e adolescência, ás vezes deu certo, em outros momentos não. Como qualquer desejo em probabilidade relativa.

Durante uma época concordei com a Reforma na CCB proposta por Ricardo Adam. Ele defende que mulheres deveriam tocar qualquer instrumento, sentar perto dos homens, pregarem, fazerem sexo (com prazer), usarem maquiagem e etc. Ele já sofreu ameaças de morte e perseguições.

Na CCB havia algo chamado “voto”, que é quando você promete pra Deus que ao atender seu pedido, dirá na frente da igreja “a graça alcançada”. Não é obrigatório descrever o que conseguiu, só se desejar. Na Reunião de Jovens era comum agradecerem por concluírem o ano letivo sem recuperação ou um novo emprego. Os cooperadores sempre frisavam a necessidade de se esforçar, se apenas pedíssemos para Deus pra “passarmos de ano” e não estudássemos as matérias, de nada adiantaria.

Achava justo. Até porque sempre pensei que Deus não tinha função de babá. E me fez pensar. Por que tudo que conseguia de “bom” era mérito de Deus? Por que tudo que não acontecia ou dava muito errado era erro humano? Quando humanos mal intencionados me humilharam ou me fizeram muito mal, o que Deus fez? Nada.  Muitos me diziam/dizem: A culpa não é de Deus, a culpa é do humano.

Qual o critério de preces de Deus? Ele ajuda uma menina a passar na prova, mas não a protege de ser molestada? As guerras acontecendo, pessoas passando fome e ele preocupado se estamos ou não “puxando o saco” dele? Contando pra todo mundo o quanto ele foi maravilhoso em ajudar a passar em um vestibular que nos matamos de estudar na madrugada?

É o tal livre-arbítrio? Até a lei terrena sabe: Você tem liberdade de ir e vir, contanto que não mate ou cause um grande dano a outros seres vivos. Mas pela lógica de “Deus” o correto é relativizar ao ponto da liberdade absoluta. Quanto ás punições, deixe que se passem décadas, meses ou anos até que o agressor bata o carro e fique paraplégico, seu filho/filha passe a mesma humilhação*, ou se nada disso acontecer, o inferno com seu tempo infinito o aguardará.

Não seria melhor impedir que a violência chegasse a “esse ponto”? Ou ainda realmente punir os agressores? Erro do humano, que se apliquem as leis dos humanos… Ou seja, Deus lavou as mãos

* É pavorosa essa idéia cristã de justiça, o que tem a ver a pobre criança filha de um pai agressor com os erros dele?

Qual a função de Deus? E por que devo adorá-lo por isso?

Sempre pensei na analogia do Frankenstein. Ele me deu a vida e daí? Eu pedi pra nascer? Vamos imaginar um relacionamento familiar. É justo que os filhos reconheçam o esforço dos pais em mantê-los vivos, mas isso não significa desconsiderar as falhas cometidas conosco e elevá-los a um status de Deus. Deus é assim, deve ser adorado por representar uma divindade.

Qual é a função dele? Pra que precisamos o adorar? Por que só ele precisa ser adorado? Por que tantos protestantes dão risada da crença católica de rezar e pedir auxílio a uma imagem de um santo? Dizem que essas imagens são mudas e não respondem, tem boca mais não falam. Defendem que o Deus protestante dá resposta “no coração”. É exatamente a resposta do santo: “No coração”. A credibilidade para o ato é a mesma, já que ambos não são experimentados no campo da razão e da lógica. Não se pode ver ou constatar fisicamente, já que se trata de uma crença baseada no sentimento.

Qualquer Deus tem a mesma credibilidade. E coincidentemente os Deuses  tem seus desejos sincronizados com os ideais dos seus fiéis. Antigamente diziam que Deus não aprovava divórcios. O discurso de algumas novas correntes de pensamento cristão é mais complacente neste aspecto. Notei que “acreditar em forças invisíveis” predispõe as pessoas a terem síndrome do pânico, apresentar paranóias e imagens destorcidas da realidade.

Assim, constatei que “Deus” era o reflexo da consciência coletiva.

8 Comentários

  1. Raiza said,

    Muito legal seu texto.Escrevi coisa parecida recentemente,tá lá no blog se te interessar.O nome do texto é “Deus está nas religiões?”

  2. Miss Lou B. said,

    Oi! Vi que não aceitou meu comentário! Não quis fazer propaganda de blogs meu (nem quero e nem preciso disso), só quis enfatizar o quanto você realmente escreve bem, que dá gosto ler seus textos. Espero não ter lhe ofendido de alguma maneira. Qualquer coisa meu e-mail é: missloub@gmail.com

  3. Miss Lou B. said,

    Ó céus! Então o comentário literalmente se perdeu no espaço cibernético virtual!! T.T

    Bom, não será a mesma coisa, mas o que eu falei no coment que você nunca viu, foi que você escreve bem demais e por isso adotei teu blog entre meus prediletos.=D

    Estudo Letras. sou escritora e pesquisadora e se muitos dos alunos de português escrevessem como você escreve e tivesse o seu senso crítico, com a idade que você tem, menina, o mundo das Letras seria mais colorido e levado mais a sério. Esse blog que você acessou (o miss lou b.) é um experimento informal de escrita. Tem outro blog meu no linkrroll caso queira ver, o Manufatura-Nova: esse já é pautado numa escrita mais formalzinha com textinhos bonitinhos.

    Assim como você, tive experiências espirituais por meio da religião católica. Não deixei de crer em Deus-Jesus-Nossa Senhora-Espírito Santo, minha turma toda, mas não tenho mais falta de cérebro e paciência para fazer parte de grupos de oração. Mas isso é uma loooooooooonga história. Mereceria um livro!XD

    Eu li toda a sequencia que você postou acerca de suas experiências na religião da qual fazia parte. Eu me senti menos só no mundo, em relação a isso. Não importa se as experiências que tivemos foram através de religiões diferentes: elas simplesmente aconteceram e são similares.

    Obrigada pelo seu desabafo: para mim ele foi restaurador e me fez pensar em muitas coisas.

    =]

    Um grande abraço!!^.^

    P.s: À propósito, estou escrevendo um livro e o nome da minha personagem é Déborah: coincidência, não? Mas a minha Déborah é bem mais underground! Talvez ela não seja tão gente boa quanto você!;)

    • Paulo Roberto said,

      Déborah parabéns pelo trabalho,hoje percebo o quanto isso é importante frequento a CCB porém estamos tentando fazer reformas na liturgia da Igreja,no tratamento com as mulheres,as pessoas que ele chamam de criaturas,leia Cristopher Hill, este foi professor de Oxford no século XX ele escreveu um livro chamado: A Biblia e as revoluções do século XVII,ele explica o poder da Bíblia nas mãos dos lideres ingleses puritanos para amansar os revolucionários. A Biblia é o livro inspirado por Deus porém caindo em mãos erradas pode causar um genocidio ex: militarismo de Wilson e Roosevelt nos EUA de 1914 a 1945.
      Leia sobre a Doutrina Monroe e vc entenderá que os EUA pensa ser o país escolhido por Deus para dominar o mundo,ouseja na religião, politica e cultura a biblia é mal usada por pecadores inescrupulosos nenhum sistema humano pode se comparar com Deus então enquanto Ele não vier continuemos na luta. Meu email é paulo.netzer@hotmail.com caso queira entrar em ctt.

  4. Sérgio Henrique Ribeiro da Silva said,

    Calvino dizia isso, tanta bondade e perfeição vinda de um ser só não cria regras punitivas de convívio.

    Aliás de tanta bondade onipresente a existência do mal se torna impossível, inviável, Deus ou deus nessa forma em que tem seus poderes concebidos simplesmente inviabilizam o contraditório, nem o livre arbítrio considerado por outros tantos como a gênese da maldade é capaz de pensar em existir.

    Mas lá estão as escrotidões, maldades na potência máxima certo? Dessa crença do ser perfeito sim que surge a barbaridade de por exemplo se desumanizar um fracasso em um casamento. Daqui por diante, tendo em conta que o homem que institucionalizou essa figura divina e infalível se faz valer da ausência de erros dela. Os erros humanos são aceitáveis já que perfeito é quem tá lá em cima, termina concedendo pra quem não é perfeito em nome de honrar essa força, julgar a todos que não dividem dessa fé a condição de párias sujeitos a perderem a vida e se a coisa parasse ” só ” com a segregação dos não crentes… pra se unir a algo superior a raça humana é craque em forçar a barra com distinções étnicas em busca de uma raça com religião superior. Essa relação metafísica na hora de se fazer barbaridades encobre violências de censura no pensamento absurdas, acreditar em algo supremo e totalitário é perigoso.

    A história recente ( a história toda, mas a recente… ) mostra as relações dos seres humanos que concederam a um só o direito de mandar e desmandar sobre si – Hitler -.

    Por fim, a idéia de que algo, alguém, uma força tem capacidades que vão além do metafísico e essa mesma força ou super pessoa é alguém que não tem um pingo de contraditório em si… é doente, a idéia o conceito de Deus é doente, tudo que tenha um lado só e esse único lado é opulento, mandão, é digno de não se ter dignidade. A habilidade política dos líderes religiosos pra manter esse mito vivo por tanto tempo é um tema interessante mas não foi o proposto.

    Um abraço.

  5. Paulo Roberto said,

    Déborah admiro sua sensatez e questionamento,confesso que nesta geração o grupo de dissidentes aumentou na CCB,simplesmente por eles estarem presos a estatutos,normas,terem uma hermeneutica Biblica empobrecida,pois não aplicam como dizia Karl Marx(1818-1883) a religião mascara a carência humana por respostas coerentes.
    João Calvino(1509-1564) disse que o sensis divinitatis está no amago do homem na sua consciencia,acredito nisso ,Débora considere que o Solipsismo, a Filosofia Alemã do seculo XIX tendo Marx,Engels,Feurbach,Schopenhauer,Hegel,Schelling,Fitche entre outros como seus representantes nos deram algumas pistas,na França do século XX encontra-se Henri Bergson(1859-1941) que questionava o tempo e eternidade mas com o avanço do nazismo aproximou-se de Deus nos ultimos dias de sua vida,outro como nós que questionou a responsabilidade humana e a liberdade foi Jean-Paul Sartre(1905-1980) era neto de um pastor germânico e católica francesa,sendo assim inquiriu a existência de um ser supremo,sobre a ética e o modelo de conduta exercido por cada homem. Sendo assim Déborah tanto vc quanto eu questionamos mas não podemos atribuir ao Deus o Todo-Poderoso a manipulação da Biblia.Abraços Débora abraços no seu coração.

    • Paulo Roberto said,

      Débora,vc tb deve ter enfrentado,tipos de pessoas na Igreja,santos demais como os fariseus,sicários e herodianos judeus da época de Jesus Cristo, dou graças a Deus que homens como Averróis(1128-1190) o italiano Giordano Bruno(1548-1600) questionaram a Igreja em sua posição,veja a presença de Deus no mundo e natureza segundo Bruno e sua doutrina panteísta defendida por Baruch Spinoza(1632-1677) e pelos alemães Savigny e Niebury,refleti que buscar a Deus neste mundo temporal como dizia Bergson requer descobrir não por meios metafísico mas racionais sua atividade no mundo sua soberania,Ele é ativo não passivo ele é o motor histórico e seu desdobramento não pode ser previsto,é aí que o homem não deveria se considerar um deten tor do saber mas sujeitar-se a Deus porém sem aproveitar a sua criação,ou seja, tudo aquilo que Ele proporciona,Leia Justo L. Gonzalez:História do Pensamento Cristão I,II e III para entender melhor sobre a Congregação e sua visão leia a história de Pedro Valdo(criador do movimento Valdense,presente na França,Boemia,Inglaterra,Itália onde o saudoso Luigi Francescon absorveu suas doutrinas e aplicou na criação da Congregação entendendo sobre Valdo podemos combater esses lideres que matam almas,gostei de vc,te entendo,tb sofri com isso porém continuo lá na CCB, não porque sou conivente com eles mas porque acredito que o conhecimento os libertará dos grilhões,o Paulo biblico disse: a Lei nos torna condenaveis pois não temos condiçoes morais espiriruais e éticas porém é Deus quem nos justifica sendo assim ele não era um asceta insano,mas um homem conciente, Quero exercitar o amor,mas sofro por isso,o dogmatismo é terrível,mas muitos de nossos irmãos não aceitam isso, por isso faço parte da militância de emancipação da juventude,Immanuel Kant(1724-1804) dizia com seu criticismo:¨A moral está na Palavra,porém o homem falível não define a Palavra¨.Até o filósofo teve formação pietista viu que o homem não tem autoridade sobre questões de fé. Não destrua a si mesma por causa dos outros,permita que o amor de Deus entre novamente veja a Filosofia não me destruiu ela só me fez enxergar Deus e posso dizer que amo vc porque vc é minha irmã,msm não sendo de sangue sou seu fã.Quero te apoiar e divulgar seu blog,porém sabes que msm que discorde de vc em alguns pontos te respeito muito.
      Só os mortos verão o fim da Guerra(Platão)


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: