22 setembro, 2008

Eu, radical

Posted in Animais, Cotidiano, Crenças, Desabafos, Gênero tagged , , às 1:45 pm por Deborah Sá

Em minha vida pessoal e virtual sou taxada de adjetivos que são ofensivos para a maioria das pessoas. E a minha reflexão leva a crer que são grandes elogios, haja vista quem os diz. Ser radical, é ser radicalmente contra determinada ação, postura ou hábito. O que parece de difícil compreensão para maioria das pessoas, é que quando todos concordam, o argumento não se torna inquestionável. Muitas idéias, hoje vistas como absurdas, eram perfeitamente aceitas no passado. “Como pode? Escravidão de negros, que absurdo…” E os que pensam diferente o que ganham por aqui? A fama de loucos, tontos, fanáticos. Mas os outros em suas certezas nunca são fanáticos… Eles são normais. Quando os fanatismos alheios têm muitos adeptos, estão corretos. “Como pode tanta gente estar “errada””? A voz da massa é a voz de Deus? Basta a maioria acreditar em Deus e ele existe? O senso comum é portador da verdade? Imagine por um instante algo que você é radicalmente contra (estupro, infanticídio…). Como seria aceitar que a maioria das pessoas do mundo fosse a favor? Que em festas familiares, mídia, trabalho e etc as pessoas se divertissem ao contar o quanto é banal cometer tais atos. E quando você se manifestasse falassem:

-Credo que radical, é só uma fodinha (no caso do estupro), eu tenho muitos vídeos que comprovam que mulheres/crianças gostam disso mesmo que inconscientemente, tem a lei de tal parágrafo que permite isso…você acha que as leis aprovariam atos repressores?

Ao se manifestar você é taxado de opressor. Coagido a manter silêncio, invariavelmente não consegue se segurar depois de ouvir tantas “pérolas”. Eles sim, eles podem falar o quanto querem, pois são protegidos e fortificados na certeza de que a maioria das pessoas está ao seu lado. Em seus argumentos ponderados e medianos são ovacionados.  Os tomates quase podres dão um bom molho.

8 setembro, 2008

Desafio

Posted in Cotidiano às 2:38 pm por Deborah Sá

Hoje no meu emprego, acabou a água do galão. Eu estava quase só, não tomaria da torneira já que não sei há quanto tempo não limpam a caixa d’água daqui… Havia um cheio para ser reposto, mas a grande dúvida: Aguentaria eu, 20 litros de água? E mais, não desperdiçar em demasia este recurso? Restava a tentativa, a trilha sonora poderia ser um remix de Eye of the Tiger com a trilha de Odisséia do Espaço. Tirei o cachecol levantei as mangas e… Como tira aquela porcaria de lacre? O_o Faca e colher resolveram. Restava agora o peso…ok, pesado, muito pesado, algumas tentativas e puf’s puf’s depois, eu consegui! Yeahhhhh! Eu consegui trocar um galão sem me machucar nem derrubar água (só umas gotas na hora de virar o galão). Mas tudo correu bem. E eu me senti muito feliz :D Nunca havia trocado um galão e dado o meu condicionamento físico (trabalho em um escritório, com um super bronzeado de palmito), fiquei bem satisfeita.