10 abril, 2008

Pornô

Posted in Gênero tagged , , , , , , , às 2:56 pm por Deborah Sá

Busca-se pornografia pois este ato é visto como “normalmente masculino”. Uma garotinha que tenta subir em árvores é vista como “menina-macho”. Como se o ato de subir em árvores fosse parte do gene masculino exclusivamente, sendo assim, uma garota “normal” não teria este desejo genuíno (de subir em árvores). A pornografia retrata a mulher como depósito de esperma e “ensina” ao homem o quanto é benéfico “cobrir a fêmea”.O sexo pornográfico é “brutal e explícito” e visto com muita normalidade pelos homens, já que “este é o modo macho de ver o sexo”. O homem é cobrado para ser fodedor e fincar sua lança fálica nos cus alheios com consentimento ou não, até porque, pornograficamente falando, aquela situação de “ela diz que não, mas no fundo está adorando” é bem comum.

 

Já a mulher tem de se sujeitar e gostar destas situações já que é sua obrigação gostar de “ser tratada como sua espécie merece”. Sei que muitos vão discordar de mim, mas a “Revolução Sexual” a meu ver é na verdade uma “Imposição Sexual”. Na qual a mulher se vê pressionada a viver lubrificada, fazer garganta profunda, dançando em um mastro e com os cabelos gigantescos dando muito prazer ao seu amo e senhor. Tudo isso sem sair do salto. E os homens sempre com a obrigação de “comerem tudo o que vêem pela frente (ou por trás também)”.

Vejo na pornografia não só um problema para a imagem feminina, mas também uma influência negativa aos homens. Reduzem-se a rôlas descomunais e nada mais. Não pensam, não sentem, apenas metem. A atriz que protagonizou “Garganta Profunda” diz que era ameaçada com uma arma pelo então seu marido e produtor. Diz ainda “quem vê o vídeo, assiste meu estupro”. Basta uma rápida procura na internet e sites de notícia, para notar que não só ela, mas outras mulheres que “saíram do mundo do pornô”, também eram “estupradas”.  Vídeos caseiros pipocam todos os dias na internet, muitos deles nem mostram o rosto “de suas mulheres”, quem garante que o vídeo que assiste não foi forçado?

A pornografia move muito dinheiro e este dinheiro é investido em mais filmagens e propaganda pornográfica. É claro que é difícil um homem/garoto não gostar de pornografia, afinal ele foi ensinado que é algo absolutamente normal para seu gênero. 


Notícia no site da BBC sobre atriz do “Garganta Profunda”:

 http://www.bbc.co.uk/portuguese/cultura/020424_lindalovelacebg.shtml

2 Comentários

  1. Roy Frenkiel said,

    Olha, Deborah, discordo sim de sua posicao, mas nao do que voce diz. Nao me aprofundo quanto aos meus proprios habitos, mas certamente jamais vi a mulher do jeito que voce descreve. Para mim, a vangloriacao da mulher tambem eh problematica.

    Sobre esse assunto, ha vertentes filosoficas e inclusive feministas. Ha feministas que discutem o papel da mulher na pornografia como algo pejorativo, necessariamente. Ha outras que analisam cada caso como caso. Eu, por exemplo, estou cansado de ver videos em que homens levam patadas no saco, poem neles coleiras, pisam em sua cara. No meu caso, quem me conhece sabe que tenho fetishe por pes, e isso tem a ver, psicologica e ate freudianamente falando, com o desejo de ser dominado.

    Novamente, nao nos aprofundemos muito na questao psicologica. Certamente, quando existe esse “abuso” retratado, nao ha o que dizer, nao ha como ser “a favor” de “estupros”. Mas, quando o tal do estrupro eh consentido, sao outros quinhentos. O jeito que as coisas sao e o jeito que elas deveriam ser, diz Humes, sao dois diferentes argumentos. Mesmo que voce nao goste, ha quem goste por motivos que talvez voce conheca, e talvez nao.

    O sexo entre homossexuais, mesmo que as vezes para satisfazer o gosto masculino no caso de duas mulheres, mostra outra face da sexualidade seja a intencao qual for, uma realidade do sexo. E se muitos filmes, a maioria, sao feitas para homens e por homens, eh porque como em qualquer outro mercado precisam considerar seus maiores consumidores.

    Sou contra a “guerra” contra a pornografia e a favor da mesma. Sou contra a estigmatizacao da mulher, isso sim, mas creio que cada caso eh diferente.

    Ja sobre isso, Deborah, lembro-me do poema de Sor Juana Ines de la Cruz: “She demonstrates the inconsistency of men’s wishes in blaming women for what they themselves caused.” Vale a pena ler esse poema.

    Bjx

    RF

  2. Crow said,

    “quando estupro é consentido são outros quinhentos”

    Como assim, defina “estupro consentido”

    cada uma…


Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: